Roberto Rachewsky



'Quem é John Galt?' e por que não devemos nos culpar por buscar o nosso próprio interesse


“Quem é John Galt?” é a pergunta que leva a respostas como: (i) o herói que move o mundo; (ii) o homem com espírito indomável que é dono da sua vida; (iii) o homem que não sacrifica ninguém nem se sacrifica por ninguém em nome da vida; ou, por outro prisma, (iv) o homem egoísta desalmado que é preciso controlar, regrar e parasitar.

John Galt é o personagem idealizado por Ayn Rand para protagonizar seu romance A revolta de Atlas.

John Galt é todo indivíduo dotado de uma mente livre e independente com capacidade cognitiva suficiente para saber as consequências de dizer “sim” ou “não” para os desafios da existência e a sabedoria necessária para escolhê-las moralmente.

Escolhas sábias não devem ser feitas por capricho ou arrogância, mas com base na realidade, sem trair a razão, ou conspirar contra a autoestima do indivíduo.

Realidade, razão e autoestima são palavras-chaves também para entendermos a resposta para a pergunta: “Quem tem medo de John Galt?”

Se você quer conhecer alguém de forma mais profunda, pergunte-lhe: “Quem é John Galt?”. Essa é a melhor maneira de descobrir a resposta para: “quem você é?”
_________________________

É facilmente manipulável aquele em cuja mente incutirmos um princípio moral que pode levá-lo a experimentar culpa.

Quando for um pecado saciar a própria vontade, mesmo que isso não implique em agir em detrimento de ninguém, a própria vida fará com que aquele ser se sinta culpado por viver.

Quando nossa culpa vem daquilo que fazemos para nos manter vivos e felizes, independentemente do que fazemos para os outros, estamos frente a uma ideologia dogmática desumana.

O ser humano é um animal racional que depende da própria mente e do próprio corpo para enfrentar os desafios da própria existência.

Quando agir em nome do autointeresse é algo moralmente condenado, não resta outra coisa que não seja a própria morte, sem falar é claro na desobediência bela e moral.

Mas porque deveríamos morrer para nos eximirmos da culpa pela vontade de viver? É contraditório. Como não existem contradições, precisamos entender a origem dessa.

O objetivo de nossa vida é nos mantermos vivos, não faz sentido sermos contemplados com a vida para morrermos em seguida.

Morte é o estado de não-existência. Não faz sentido para não existirmos, existir. Se nosso objetivo como indivíduos é a inexistência, então deveríamos ter assim permanecido, inexistentes, desde sempre.

O significado da vida cada um escolhe; o propósito da vida é viver a melhor vida que for possível.

Não se culpe por querer satisfazer o seu próprio interesse, você não pode ser culpado por querer existir e ser feliz.

__________________________________________

Revisado por Matheus Pacini

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

__________________________________________