Reflexões sobre o discurso de Milei em Davos

Já deveríamos saber que a visão utilitarista ou religiosa de defesa do capitalismo (e, portanto, dos direitos individuais) já se provou insuficiente.

Já devíamos saber que as pessoas resistem ao capitalismo mesmo que as massas desesperadas deixem tudo para trás em busca de liberdade e de uma vida melhor. Mesmo que  alemães orientais fugindo para a Alemanha Ocidental, ou os cubanos usando geladeiras como dispositivos flutuantes para ir para Miami, ou um astronauta na estação espacial olhando apenas metade da península coreana com as luzes acesas durante a noite….as pessoas hesitam em admitir que o capitalismo é bom.

Já deveríamos saber que os americanos resistem ao capitalismo mesmo que o seu documento fundador diga que um criador lhes deu direitos inalienáveis que lhes permitiram construir o país mais rico do planeta, com milhares de imigrantes a atravessar a sua fronteira todos os dias.

Todos esses são os argumentos de Milei e são todos verdadeiros.

Mas dizer que o capitalismo funciona para o PIB per capita, ou que é bom para tornar as pessoas mais ricas, não é suficiente. O capitalismo necessariamente funciona porque é moral e, portanto, adequado à natureza do homem: o homem é o animal racional. O homem precisa estar livre da coerção para exercer sua faculdade racional. Ele deveria saber que sua felicidade não pode ser alcançada sob a mira de uma arma. Essa é a peça que falta.

Aqueles que defendem o capitalismo deveriam reconhecer que o capitalismo não pode vencer sem uma defesa clara e inequívoca da autoestima. O capitalismo é necessário para os valores existenciais mais significativos que tornam todos os outros possíveis: razão, propósito, autoestima.

É preciso confiança para dizer que o capitalismo é certo e bom para si mesmo, para que alguém se sinta bem apoiando esse sistema politico. Sem uma moralidade adequada para apoiar o capitalismo, todos os políticos que o defendem usando argumentos errados apenas poupando tempo antes de finalmente regressarmos ao nosso estado primitivo, tribal, místico e sem esperança: uma época em que os direitos individuais e o capitalismo não eram sequer conceitos.

É bom que a moralidade adequada para o capitalismo já tenha sido descoberta. Agora o trabalho é feito por cada indivíduo que escolhe pensar, observar a realidade e saber que é verdade.

tZ55GVH

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se na nossa Newsletter