O socialismo e os estágios da consciência humana

Socialismo é um sistema social, político e econômico feito sob medida para quem consegue alcançar apenas o segundo estágio de consciência, o da percepção.

Esse é o estágio dos animais irracionais, cuja sobrevivência depende da economia extrativista que usa a força, seja para obter o que precisa da natureza ou de outro ser como ele, num jogo de soma zero.

Animais irracionais não têm a capacidade mental de usar conceitos para formular abstrações e destas criar valores para uso próprio ou, dada a divisão de trabalho e a especialização que desenvolve tremenda produtividade, transacionar com outros da sua espécie, de forma livre, voluntária e espontânea.

Lidar com conceitos e abstrações é o terceiro e mais elevado estágio da consciência humana.

O capitalismo é o sistema social, político e econômico para quem pensa minimamente, quem consegue concatenar ideias, identificar concretos na realidade e abstrações na sua mente, conceituando-os inteligentemente para poder distinguir e integrar o que tiver sido percebido através dos sentidos.

É por isso que, no socialismo, prosperam os brutos e mais ninguém; e no capitalismo prosperam todos, mesmo aqueles que são carregados de arrasto pelos mais criativos, inovadores, empreendedores que dependem do jogo ganha-ganha que somente economias livres, com agentes voluntários e ordens espontâneas conseguem produzir.

Sociedades formadas e dirigidas por pessoas que não percebem e não pensam são autofágicas. Podem durar um tempo, mas acabarão colapsando.

Sociedades formadas e dirigidas por pessoas que pensam são prósperas, desde que os brutos irracionais sejam colocados no seu devido lugar e os que conseguem conter seus impulsos irracionais forem acolhidos e demandados até o limite da sua capacidade de focar a mente e pensar, atividade para a qual devem ser educados.

A sociedade que quiser prosperar deve proteger quem alcançou o terceiro estágio de consciência e usa suas habilidades para criar valor através da produção de ideias, de bens ou processos que lhe permitirão interagir com os outros para gerar benefício mútuo e lucrar.

Proteger a vida, a liberdade, a propriedade – principalmente, a propriedade intelectual – para que cada indivíduo pudesse buscar a sua felicidade, com o uso da sua consciência, atingindo o mais elevado estágio a que qualquer ser humano pode aspirar, é o que transformou sociedades como a britânica, a holandesa e a americana nas mais desenvolvidas da história.

O progresso da humanidade sempre virá da criação de valor e riqueza, e sua distribuição necessariamente virá através do comércio.

Guerras só criam ambientes de prosperidade se e quando aqueles que defendem a livre iniciativa, a propriedade privada, o estado de direito e o livre mercado prevalecerem sobre seus opositores, como ocorreu na Segunda Guerra Mundial, de onde sociedades como a alemã e a japonesa saíram da barbárie que protagonizaram para a civilização. Mesmo assim, como se viu, a guerra traz perda de liberdade e irreparável destruição até para os vencedores. Foi assim que a liberdade individual e a propriedade privada nos Estados Unidos da América e na Grã Bretanha acabaram corroídas.

________________________________

Revisado por Matheus Pacini.

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

__________________________________________

>