Kirk Barbera



O valor dos conselhos de carreira de Ayn Rand


Roark levantou-se, estendeu o braço, arrancou um galho grosso de uma árvore, segurou-o em suas mãos, com um punho fechado em cada ponta. Então, com seus pulsos e nós dos dedos tensos contra a resistência, ele envergou o galho lentamente, formando um arco.

Agora eu posso fazer o que quiser com ele: um arco, uma lança, uma bengala, uma balaustrada. Esse é o significado da vida.

A sua força?

O seu trabalho. – Ele atirou o galho para o lado. – O material que a Terra lhe oferece e o que você faz com ele...

Todos os grandes escritores geram polarização. Ayn Rand, autora de A nascente” e A revolta de Atlas, certamente se encaixa nisso. As pessoas tendem a amar ou a odiar o trabalho dela. Mas, como Winston Churchill disse certa vez: “Você tem inimigos? Que bom, pois significa que que você defendeu algo em algum momento da sua vida.”

Não podemos negar o grande sucesso de Rand. Depois de perder tudo na ex-Rússia Soviética, ela fugiu para os Estados Unidos de mãos vazias. Ela seguiu trabalhando ano após ano em coisas diversas; às vezes, como figurante em Hollywood, às vezes, como garçonete. Mas ela nunca perdeu de vista o seu objetivo: ser uma romancista.

Levaria décadas - inclusive superar a Grande Depressão - para que ela finalmente alcançasse o sucesso como escritora. Até hoje, já são mais de 30 milhões de exemplares vendidos. De fato, A revolta de Atlas moldou o panorama intelectual americano. Mesmo após décadas de sua morte, não passa uma semana sequer sem ela ser mencionada de alguma forma.

Abaixo, temos alguns trechos de vários livros, entrevistas e outros onde ela explica sua visão sobre sucesso na carreira. Os conselhos aqui presentes não se aplicam apenas ao sucesso de Rand, mas a de qualquer grande idealizador.

Busque sempre o conhecimento

Todo homem é livre para subir tanto quanto puder ou quiser, porém ele só sobe na medida em que utilizar sua mente.

Não deixem morrer o herói que vive em suas almas, solitário e frustrado por nunca ter conseguido atingir a vida merecida. Examinem sua estrada e a natureza da sua luta. O mundo que vocês desejavam pode ser conquistado: ele existe, é real, é possível, é seu.

Em sua autobiografia Satisfação garantida: no caminho do lucro e da paixão, Tony Hsieh, CEO da Zappos.com, relata sua busca permanente pelo autoconhecimento. Antes de criar a Zappos, ele fundou várias empresas. Algumas deram muito errado; outras deram certo, mas, no final, “acabaram” com ele.

Iniciando com uma criação de minhocas aos nove anos, migrou para um negócio de confecção de botões no Ensino Médio e trabalhou em outros projetos até concluir a faculdade, quando, por fim, conseguiu um bom emprego na Oracle - que o entediava. Ele pediu demissão e abriu uma empresa, chamada LinkExchange, que foi a primeira empresa de anúncios por clique na internet. Por fim, ele percebeu que estava odiando o rumo que a empresa tinha tomado e decidiu vendê-la. Mais tarde, abriu sua própria boate e por aí vai.

Durante todo esse tempo, ele aprendeu muito sobre o que dá certo e o que não dá, o que ele gostava de fazer, e o que ele odiava. Finalmente, ele conseguiu tudo que queria na Zappos. Dez anos após a sua fundação, a empresa foi comprada pela Amazon por mais de US$ 1 bilhão de dólares.

Ame o trabalho

– Mas veja – disse Roark calmamente –, eu tenho, talvez, mais sessenta anos de vida. Vou passar a maior parte desse tempo trabalhando. Eu escolhi o trabalho que quero fazer. Se ele não me der nenhuma alegria, estarei me condenando a sessenta anos de tortura. E eu só posso encontrar alegria em meu trabalho se o fizer da melhor forma possível.

Se valer a pena fazer, então vale a pena exagerar.

– É isso. Você só fica completamente natural quando está prestes a explodir em mil pedaços. De que diabos você é realmente feito, Howard? Afinal de contas, é só um prédio. Não é essa combinação de sacramento, tortura e êxtase sexual que você parece achar que é.

– Não é?

Em seu livro Criatividade S.A, Ed Catmull, presidente da Pixar Animation e da Disney Animation, explica o seu amor pela habilidade da tecnologia em transformar arte em vida. Quando criança, ele ficava vidrado em frente à TV, tão perto quanto seus pais permitiam esperando o início do programa O maravilhoso mundo colorido de Walt Disney. Toda semana, o próprio Walt explicava como a mágica da Disney era criada. Walt desmistificava tudo. Catmull se apaixonou.

Desde então, ele se dedicou a usar a tecnologia para dar vida à arte. Ele trabalhou com George Lucas num setor de sua empresa que mais tarde seria vendida para Steve Jobs. Durante vinte anos de trabalho dedicado, Catmull se manteve focado em seu objetivo: criar o primeiro longa-metragem feito exclusivamente por computadores. E assim nasceu Toy Story.

Tenha um objetivo

Eu quero saber se realizei algo. Quero sentir que isso teve um sentido. Resumindo, quero ter certeza de que tudo não foi em vão.

Carreiras exigem a habilidade de manter um objetivo por um longo período de tempo, através de muitos passos, escolhas, decisões, também um progresso estável em direção ao objetivo… Durante uma carreira, toda conquista é um fim em si mesma e, ao mesmo tempo, o primeiro passo de uma conquista futura… Numa carreira, não existe “conquistar demais”: quanto mais você faz, mais você ama o que faz.

Não pretendo construir para poder ter clientes, pretendo ter clientes para poder construir.

Como descrito no livro Springboard: Launching your Personal Search for Success, do professor Richard Shell da Universidade de Wharton, Julia Child, a a primeira chef de televisão repetia uma máxima que guiou sua carreira de sucesso: “Quanto mais eu cozinho, mais eu gosto de cozinhar.” É isso.

Ela descobriu sua vocação e dedicou sua vida a ela. Com base em seu sonho de infância de ser escritora, ela utilizou suas habilidades de escrita para criar seu bestseller de 734 páginas Mastering the Art of French Cooking. Após isso, as pessoas começaram a pedir para ela ensinar a cozinhar omelete à moda francesa num programa de TV. O resto é história. Mesmo que várias coisas tenham acontecido durante sua vida, ligando todas estava um propósito maior: cozinhar.

Dinheiro é um meio, não um fim[1]

Na última biografia sobre Steve Jobs, Becoming Jobs, o bilionário foi citado falando sobre o dinheiro em diferentes estágios da sua vida. Quando jovem, ele admirava homens como Dave Packard, Andy Grove, Charlie Sporck e outros grandes empreendedores. Jobs disse “nenhum deles estava ali só pelo dinheiro… Dave Packard, por exemplo, doou todo seu dinheiro para sua fundação.” Mais tarde, Jobs explicou o propósito de se construir uma grande empresa, “a empresa é uma das coisas mais incríveis que o homem já inventou, essa construção abstrata de incrível poder. Mesmo assim, para mim, a preocupação está sempre no produto, no trabalhar com pessoas divertidas, inteligentes, criativas e fazer coisas maravilhosas. Não é pelo dinheiro.”

Você é livre para seguir o conselho de Rand ou não. A vida é sua, como ela mesma diria. Mas aqueles que escutam a si mesmos e aprendem são os que conquistam uma vida que vale a pena ser vivida.

Antes de poder fazer coisas para os outros, você deve ser o tipo de pessoa que faz as coisas acontecerem. Para fazer acontecer, você precisa sentir prazer no que faz, não apenas no objetivo final; ter prazer no trabalho, não nas pessoas; ter prazer em suas próprias ações, e não no julgamento alheio.

__________________________________________

Publicado originalmente em FEE.org.

Traduzido por Gabriel Poersch.

Revisado por Matheus Pacini.

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

__________________________________________

[1] Ler o “Discurso do dinheiro” de Francisco D´Anconia, que pode ser lido aqui.