Ayn Rand



ENTREVISTA DE AYN RAND À REVISTA PLAYBOY


PLAYBOY: Miss Rand, seus romances e ensaios e, em especial, seu controvertido best-seller, Atlas Shrugged (A Revolta de Atlas), apresenta uma visão de mundo cuidadosamente projetada e intrinsecamente consistente. Na verdade, eles são a expressão de um sistema filosófico abrangente. O que você procura alcançar com esta nova filosofia?

RAND: Eu busco prover os homens - ou aqueles que gostam de pensar - com uma visão integrada, coerente e racional da vida.

PLAYBOY: Quais são as premissas básicas do Objetivismo? Qual o ponto de início?

RAND: Começa com o axioma de que a existência existe, o que significa que uma realidade objetiva existe independentemente de qualquer observador ou das emoções do perceptor, sentimentos, desejos, esperanças e medos. O Objetivismo sustenta que a razão é a único meio pelo qual o homem percebe a realidade e é seu único guia para a ação. Por razão, eu quero dizer a faculdade que identifica e integra o material fornecido pelos sentidos do homem.

PLAYBOY: Em A Revolta de Atlas, o seu herói, John Galt, declara: "Eu juro - por minha vida e meu amor por ela - que eu nunca vou viver em função de outro homem, nem pedir a outro homem que viva em função de mim." Como isso está relacionado a seus princípios básicos?

RAND: A declaração de Galt é um sumário dramatizado da ética objetivista. Qualquer sistema de ética é baseado e deriva, implícita ou explicitamente, da metafísica. A ética derivada da base metafísica do Objetivismo afirma que, como a razão é a ferramenta básica do homem para sua sobrevivência, a racionalidade é a sua maior virtude. Usar sua mente, perceber a realidade e agir de acordo, é o imperativo moral do homem. O padrão de valor da ética objetivista é: a vida do homem - a sobrevivência do homem enquanto homem - ou o que a natureza de um ser racional requer, para sua própria sobrevivência. A ética objetivista, em essência, sustentam que o homem existe para seu próprio bem, que a busca da sua própria felicidade é o seu maior propósito moral, que não deve se sacrificar para os outros, nem sacrificar os outros para si mesmo. Em suma, é isso que a declaração de Galt resume.

PLAYBOY: Que tipo de moralidade deriva desta, em termos de comportamento do indivíduo?

RAND: Este é apresentado em detalhes em A Revolta de Atlas.

PLAYBOY: A heroína de A Revolta de Atlas foi, em suas palavras, "completamente incapaz de experimentar um sentimento de culpa fundamental." É possível qualquer sistema de moralidade sem culpa?

RAND: A palavra importante na passagem que você citou é "fundamental". Culpa fundamental não significa a capacidade de se julgar suas próprias ações e lamentar uma ação errada, se alguém a cometer. Culpa fundamental significa que o homem é mau e culpado por natureza.

PLAYBOY: Você se refere ao pecado original?

RAND: Exatamente. É o conceito de pecado original que minha heroína, ou eu, ou qualquer objetivista, é incapaz de aceitar ou experimentar emocionalmente. É o conceito de pecado original que nega a moralidade. Se o homem é culpado por natureza, ele não tem escolha quanto a isso. Se ele não tem escolha, a questão não pertence ao campo da moralidade. Moralidade pertence apenas à esfera de livre-arbítrio do homem - apenas para aquelas ações que estão abertas à sua escolha. Considerar o homem culpado por natureza, é uma contradição em termos. Minha heroína seria capaz de sentir culpa por uma ação específica. Só que, sendo uma mulher de elevada estatura moral e auto-estima, ela zelaria para não fazer nada que lhe atribuísse qualquer culpa por seus atos. Ela agiria de uma forma totalmente moral e, portanto, não aceitaria uma culpa imerecida.

PLAYBOY: Em A Revolta de Atlas, um de seus personagens principais é questionado, "qual é o tipo mais depravado de ser humano" Sua resposta é surpreendente: ele não diz um sádico ou um assassino ou um maníaco sexual ou um ditador, ele diz: "o homem sem um propósito." No entanto, a maioria das pessoas parece passar sua vida sem um propósito claramente definido. Você as considera depravadas?

RAND: Sim, até um certo ponto.

PLAYBOY: Por quê?

RAND: Porque esse aspecto de seu caráter está na raiz e causa de todos os males que você mencionou em sua pergunta. Sadismo, ditadura, qualquer forma de mal, é a conseqüência da evasão de um homem da realidade. Uma conseqüência de sua incapacidade de pensar. O homem sem um propósito é um homem que flutua à mercê de sentimentos aleatórios ou não identificados, insta e é capaz de qualquer mal, porque ele está totalmente fora do controle de sua própria vida. A fim de estar no controle de sua vida, você tem que ter um propósito - um propósito produtivo.

PLAYBOY: Não estavam Hitler e Stalin, para citar dois tiranos, no controle de suas próprias vidas, e não tinham eles um propósito claro?

RAND: Certamente, não. Observe que ambos terminam como psicóticos literais. Eles eram homens que não tinham auto-estima e, portanto, odiavam toda a existência. Sua psicologia, na verdade, está resumida em A Revolta de Atlas pela personagem James Taggart. O homem que não tem fim, mas tem de agir, age para destruir os outros. Isso não é a mesma coisa que um propósito produtivo ou criativo.

PLAYBOY: Se uma pessoa organiza a sua vida em torno de um propósito único, perfeitamente definido, não está em perigo de se tornar extremamente estreita em seus horizontes?

RAND: Muito pelo contrário. Um propósito central serve para integrar todos as outras preocupações da vida de um homem. Ele estabelece a hierarquia, a importância relativa, de seus valores, ele o salva de inúteis conflitos interiores, permitindo-lhe aproveitar a vida em grande escala, e para realizar essa apreciação em qualquer área aberta à sua mente, ao passo que um homem sem um propósito se perde no caos. Ele não sabe quais são os seus valores. Ele não sabe como julgar. Ele não pode dizer o que é ou não é importante para ele, e, portanto, ele deriva impotente, à mercê de qualquer estímulo casual ou qualquer capricho do momento. Ele nada pode desfrutar. Ele passa a vida à procura de algum valor que ele nunca encontrará.

PLAYBOY: Não poderia a tentativa de erradicar da vida o capricho, agindo de uma forma totalmente racional, ser visto como um direcionamento para um tipo de existência triste e árida?

RAND: Eu realmente devo dizer que eu não sei sobre o que você está falando. Vamos definir os nossos termos. A razão é a ferramenta do homem para o conhecimento, a faculdade que lhe permite perceber os fatos da realidade. Agir racionalmente significa agir de acordo com os fatos da realidade. As emoções não são ferramentas de cognição. O que você sente não diz nada sobre os fatos, ele simplesmente diz algo sobre a sua estimativa dos fatos. As emoções são o resultado dos seus julgamentos de valor, os quais são causados ??por suas premissas básicas, as quais você pode carregar, consciente ou inconscientemente, e que podem estar certas ou erradas. Um capricho é uma emoção cuja causa, você nem sabe, nem se preocupa em descobrir. Agora, o que significa agir por capricho? Significa um homem agir como um zumbi, sem qualquer conhecimento do que faz, do que quer realizar, ou do que o motiva. Isso significa que um homem age em estado de insanidade temporária. É isso que você chama frívolo ou colorido? Eu acho que o único suco que pode sair de tal situação é o sangue. Agir contra os fatos da realidade só pode resultar em destruição.

PLAYBOY: Deve-se ignorar as emoções por completo, erradicando-as da vida?

RAND: Claro que não. Deve-se apenas mantê-las em seu lugar. Uma emoção é uma resposta automática, um efeito automático das premissas de valor do homem. Um efeito, não uma causa. Não há um confronto necessário, não há dicotomia entre a razão do homem e suas emoções - desde que observada a sua apropriada relação. Um homem racional sabe - ou faz questão de descobrir - a fonte de suas emoções, as premissas básicas de onde elas vêm; se suas premissas estão erradas, ele as corrige. Ele nunca age sobre emoções que não pode explicar, cujo significado ele não entende. Na avaliação de uma situação, ele sabe por que ele reage, como ele faz e se ele está certo. Ele não tem conflitos interiores; sua mente e suas emoções são integrados, sua consciência está em perfeita harmonia. Suas emoções não são seus inimigos, elas são seus meios de aproveitar a vida. Mas elas não são o seu guia; o guia é a sua mente. Esta relação não pode ser invertida, no entanto. Se um homem toma suas emoções como a causa e sua mente como o seu efeito passivo, se ele é guiado por suas emoções e usa sua mente só para racionalizar ou justificá-las de alguma forma - então ele está agindo imoralmente, ele está condenando a si mesmo à miséria, fracasso, derrota. E ele vai conseguir nada além de destruição - a sua própria e a dos outros.

PLAYBOY: De acordo com a sua filosofia, trabalho e realização são os mais altos objetivos da vida. Você considera imorais aqueles que encontram maior satisfação no calor da amizade e nos laços familiares?

RAND: Se eles colocam coisas como a amizade e os laços familiares acima de seu próprio trabalho produtivo, sim, eles são imorais. Amizade, vida familiar e relações humanas não são primordiais na vida de um homem. Um homem que coloca os outros em primeiro lugar, acima de seu próprio trabalho criativo, é um parasita emocional; se ele coloca o seu trabalho em primeiro lugar, não há conflito entre o seu trabalho e a fruição das relações humanas.

PLAYBOY: Você acredita que as mulheres, assim como os homens devem organizar suas vidas em torno do trabalho - e se sim, que tipo de trabalho?

RAND: Claro. Eu acredito que as mulheres são seres humanos. O que é próprio para um homem é adequado para uma mulher. Os princípios básicos são os mesmos. Eu não tentarei prescrever o tipo de trabalho que um homem deve fazer, e eu tentaria fazê-lo com respeito às mulheres. Não há nenhum trabalho em particular que seja especificamente feminino. As mulheres podem escolher o seu trabalho de acordo com seu próprio propósito e premissas, da mesma maneira como os homens.

PLAYBOY: Na sua opinião, uma mulher é imoral ao escolher se dedicar à casa e à família, ao invés de seguir uma carreira?

RAND: Não, imoral, não. Eu diria que ela é impraticável, porque uma casa não pode ser uma ocupação de tempo integral, exceto quando os filhos são jovens. No entanto, se ela quer uma família e quer fazer disso sua carreira, pelo menos por um tempo, seria adequado - se ela tratar isso como uma carreira, isto é, se ela estudar o assunto, se ela definir as regras e princípios pelos quais ela quer criar os filhos, se ela se dedicar a sua tarefa de uma maneira intelectual. É uma tarefa muito responsável e importante, mas apenas quando tratada como uma ciência, não como uma mera satisfação emocional.

PLAYBOY: Em que parte/momento, você diria, deveria o amor romântico se encaixar na vida de uma pessoa racional cuja única paixão de condução é o trabalho?

RAND: É a sua maior recompensa. O único homem capaz de experimentar um profundo amor romântico é o homem movido pela paixão por seu trabalho - porque o amor é uma expressão da auto-estima, dos valores mais profundos de um homem ou do caráter de uma mulher. Se ama uma pessoa que compartilha esses valores. Se um homem não tem valores claramente definidos, nem caráter moral, ele não é capaz de apreciar outra pessoa. A este respeito, gostaria de citar A Nascente, em que o herói pronuncia uma frase que tem sido muitas vezes citada por leitores: "Para dizer "eu te amo", é preciso saber primeiro como dizer o “eu”."

PLAYBOY: Você considera que a própria felicidade é o mais elevado fim, e que o autossacrifício é imoral. Isso se aplica ao amor assim como ao trabalho?

RAND: Para o amor mais do que para qualquer outra coisa. Quando você está apaixonado, isso significa que a pessoa que você ama é de grande importância, egoísta e pessoal, para você e para sua vida. Se você fosse altruísta, significaria dizer que você não têm nenhum prazer pessoal nem felicidade com a companhia ou a existência da pessoa que você ama, e que sua motivação deve-se apenas por autossacrifício, por pena da necessidade que a pessoa tem de você. Eu não preciso destacar que ninguém iria se sentir lisonjeado, nem aceitaria, um conceito desse tipo. O amor não é autossacrifício, mas a afirmação mais profunda de suas próprias necessidades e valores. É para sua própria felicidade que você precisa da pessoa que você ama, e esse é o maior elogio, a maior homenagem que podemos prestar a essa pessoa.

PLAYBOY: Você tem denunciado a noção puritana de que o amor físico é feio ou mau, ainda que você tenha escrito que "desejo indiscriminado e indulgência não seletiva só são possíveis para aqueles que consideram o sexo e a si mesmos como o mal." Você diria que a indulgência seletiva e discriminação na questão sexual é moral?

RAND: Eu diria que uma vida sexual seletiva e discriminar não é uma indulgência. A termo indulgência implica que é uma ação tomada de ânimo leve e casual. Eu digo que o sexo é um dos aspectos mais importantes da vida do homem e, portanto, nunca deve ser abordado de ânimo leve ou casualmente. Uma relação sexual é adequada apenas no terreno dos valores mais elevados que se pode encontrar em um ser humano. O sexo não deve ser outra coisa do que uma resposta a valores. E é por isso que eu considero a promiscuidade imoral. Não é porque o sexo é mau, mas porque o sexo é muito bom e muito importante.

PLAYBOY: O que isso significa, em sua opinião, que o sexo deve envolver apenas os casados?

RAND: Não necessariamente. O sexo deve envolver uma relação muito séria. Se essa relação deve ou não se tornar um casamento é uma questão que depende das circunstâncias e do contexto de vida das duas pessoas. Eu considero o casamento uma instituição muito importante, mas é importante quando e se duas pessoas encontraram a pessoa com quem deseja passar o resto de suas vidas - uma questão de que nenhum homem ou mulher pode ser automaticamente determinado. Quando um está certo que a escolha do outro é final, então o casamento é, naturalmente, um estado desejável. Mas isso não significa que qualquer relação baseada em menos do que a total certeza seja imprópria. Acho que a questão de um caso ou de um casamento depende do conhecimento e da posição das duas pessoas envolvidas e deve ser deixada para eles. Ambas são morais, contanto que as partes levem o relacionamento a sério e que se baseiem em valores.

PLAYBOY: Como alguém que defende a causa do autointeresse se sente sobre dedicar a vida à autogratificação hedonista?

RAND: Eu sou profundamente contrária à filosofia do hedonismo. O hedonismo é a doutrina que sustenta que o bom é o que lhe dá prazer e, portanto, o prazer é o padrão de moralidade. O Objetivismo sustenta que o bem deve ser definido por um padrão racional de valor, que o prazer não é a primeira causa, mas apenas uma consequência, que só o prazer que procede de um juízo de valor racional pode ser considerado moral, que o prazer, como tal, não é um guia para a ação, nem um padrão de moralidade. Dizer que o prazer deve ser o padrão de moralidade, significa simplesmente que qualquer valor que você vier a escolher, consciente ou inconscientemente, racional ou irracionalmente, está certo e moral. Isso significa que você deve ser guiado por sentimentos, emoções e caprichos casuais, e não por sua mente. Minha filosofia é o oposto do hedonismo. Eu defendo que não se pode alcançar a felicidade por acaso, meios arbitrários ou subjetivos. Pode-se conseguir a felicidade apenas com base em valores racionais. Por valores racionais, eu não me refiro a nada que um homem possa, arbitrária ou cegamente, declarar ser racional. É a província da moralidade, da ciência da ética, para definir para os homens o que é um padrão racional e quais são os valores racionais a perseguir.

PLAYBOY: Você tem dito que o tipo de homem que passa seu tempo correndo atrás de mulheres é um homem que "despreza a si mesmo." Quer explicar melhor?

RAND: Este tipo de homem está invertendo causa e efeito no que diz respeito ao sexo. O sexo é a expressão de autoestima de um homem, de seu próprio valor. Mas o homem que não valoriza a si mesmo tenta reverter esse processo. Ele tenta derivar sua autoestima de suas conquistas sexuais, o que não pode ser feito. Ele não pode adquirir o seu próprio valor, a partir do número de mulheres que consideram ele como valioso. No entanto, essa é a coisa impossível que ele tenta.

PLAYBOY: Você ataca a idéia de que o sexo é "impenetrável à razão." Mas não é o sexo um instinto irracional biológico?

RAND: Não. Para começar, o homem não possui nenhum instinto. Fisicamente, o sexo é meramente uma capacidade. Mas como um homem vai exercer essa capacidade, e quem ele vai achar atraente, depende de seu padrão de valor. Depende de suas premissas, que podem ser mantidas, consciente ou inconscientemente, e que determinam suas escolhas. É desta forma, que a sua filosofia direciona sua vida sexual.

PLAYBOY: Não é o indivíduo equipado com poderosos impulsos biológicos não racionais?

RAND: Ele não é. Um homem está equipado com um certo tipo de mecanismo físico e certas necessidades, mas sem nenhum conhecimento de como cumpri-las. Por exemplo, o homem precisa de comida. Ele experimenta a fome. Mas, a menos que ele aprenda primeiro a identificar essa fome, depois, saber que ele precisa de comida e como obtê-la, ele morrerá de fome. A necessidade, a fome, não vai dizer a ele como satisfazê-la. O homem nasce com certas necessidades físicas e psicológicas, mas ele não pode nem descobri-las nem satisfazê-las sem o uso de sua mente. O homem tem que descobrir o que é certo ou errado para ele como um ser racional. Seu chamado impulso não vai lhe dizer o que fazer.

PLAYBOY: Em A Revolta de Atlas você escreveu: "Há dois lados para cada questão um lado está certo e o outro está errado, mas o meio é sempre o mal.". Não é este um conjunto bastante preto-e-branco de valores?

RAND: Ele certamente é. Eu mais enfaticamente defender uma visão em preto-e-branco do mundo. Vamos definir isso. O que significa a expressão "preto e branco"? Isso significa o bem e o mal. Antes que você possa identificar qualquer coisa como cinza, como meio da estrada, você tem que saber o que é preto e o que é branco, porque cinza é apenas uma mistura dos dois. E quando você estabeleceu que uma alternativa é boa e a outra é má, não há justificativa para a escolha de uma mistura. Não há justificativa para a escolha de qualquer parte do que você sabe que é o mal.

PLAYBOY: Então você acredita em absolutos?

RAND: eu acredito.

PLAYBOY: Não é possível o Objetivismo, então, ser chamado de um dogma?

RAND: Não. Um dogma é um conjunto de crenças aceitas com base na fé, isto é, sem justificação racional ou contra uma evidência racional. Um dogma é uma questão de fé cega. Objetivismo é exatamente o oposto. O Objetivismo diz que você não deve aceitar qualquer idéia ou convicção, a menos que você possa demonstrar sua verdade por meio da razão.

PLAYBOY: Se aceito, não poderia Objetivismo se transformar em um culto/um dogma?

RAND: Não. Eu descobri que o Objetivismo é a sua própria proteção contra pessoas que podem tentar usá-lo como dogma. Uma vez que o Objetivismo requer o uso da sua própria mente, aqueles que tentam tomar princípios vagos, aplicando-os sem pensar, indiscriminadamente, para os casos concretos da sua própria existência aprenderão que isso não pode ser feito. Eles são, então, obrigados, ou a rejeitar o Objetivismo ou a aplicá-lo. Quando eu digo aplicar, quero dizer que eles têm que usar sua própria mente, seu próprio pensamento, a fim de saber como aplicar os princípios Objectivistas para os problemas específicos de suas próprias vidas.

PLAYBOY: Você disse que se opõe à fé. Você acredita em Deus?

RAND: Certamente que não.

PLAYBOY: Você já foi citado como dizendo: "A cruz é o símbolo da tortura, do sacrifício do ideal para o não ideal, eu prefiro o sinal do dólar." Você realmente sente que dois mil anos de Cristianismo podem ser resumidos com a palavra "tortura"?

RAND: Para começar, eu nunca disse isso. Não é o meu estilo. Nem literaria nem intelectualmente. Eu não digo que eu prefiro o sinal do dólar - que é um absurdo barato, e por favor, deixe isso em sua cópia. Eu não sei a origem da citação especial, mas o significado do sinal do dólar é claro em A Revolta de Atlas. É o símbolo, claramente explicado na história, do livre comércio e, portanto, de uma mente livre. A mente livre e a economia livre são corolários. Um não pode existir sem o outro. O sinal do dólar, como o símbolo da moeda de um país livre, é o símbolo da mente livre. Mais do que isso, quanto à origem histórica do sinal do dólar, apesar de nunca ter sido provada, uma hipótese muito provável é que ele representa as iniciais dos Estados Unidos. Bastante para o cifrão. Agora, você quer que eu fale sobre a cruz. O que é correto é que eu não considero a cruz como símbolo do sacrifício do ideal para o não ideal. Não é isso que ela quer dizer? Cristo, em termos de filosofia cristã, é o ideal humano. Ele personifica o que os homens devem se esforçar para imitar. No entanto, de acordo com a mitologia cristã, ele morreu na cruz não por seus próprios pecados, mas pelos pecados do povo imperfeito. Em outras palavras, um homem de virtude perfeita foi sacrificado por homens que eram viciosos e de quem se esperava ou deviam aceitar esse sacrifício. Se eu fosse cristã, nada poderia me indignar mais do que isso: a noção de sacrificar o ideal para o não ideal, ou a virtude pelo vício. E é em nome desse símbolo de que os homens são convidados a se sacrificar por seus inferiores. Essa é precisamente a forma como o simbolismo é usado. Isso é tortura.

PLAYBOY: a religião, em sua opinião, nunca ofereceu nada de valor construtivo para a vida humana?

RAND: Enquanto religião, não - no sentido de crença cega, a crença não suportada por, ou pelo contrário, nos fatos da realidade e nas conclusões da razão. A fé, como tal, é extremamente prejudicial para a vida humana: é a negação da razão. Mas você deve se lembrar de que a religião é uma forma primitiva de filosofia, que as primeiras tentativas de explicar o universo, para dar um quadro coerente de referência para a vida do homem e de um código de valores morais, foram feitas pela religião, antes que os homens estivessem formados ou desenvolvidos o suficiente para criar a filosofia. E, como filosofias, algumas religiões têm pontos morais muito valiosos. Eles podem ter uma influência boa ou princípios próprios para inculcar, mas em um contexto muito contraditório e, em uma - como devo dizer - base muito perigosa ou malévola: no terreno da fé.

PLAYBOY: Então você diria que se você tivesse que escolher entre o símbolo da cruz e o símbolo do dólar, você escolheria o do dólar?

RAND: Eu não aceitaria tal escolha. Dito de outra forma: se eu tivesse que escolher entre a fé e a razão, eu nem mesmo considero a escolha concebível. Como um ser humano, a pessoa escolhe a razão.

PLAYBOY: Você considera empresários ricos como os Fords e os Rockefellers imorais porque usam sua riqueza para apoiar a caridade?

RAND: Não. Esse é o seu privilégio, se quiserem. Meu ponto de vista sobre a caridade é muito simples. Eu não considero isso uma grande virtude e, acima de tudo, não considero um dever moral. Não há nada de errado em ajudar outras pessoas, se e quando forem dignas de ajuda e você puder se dar o luxo de ajudá-los. Considero a caridade como uma questão marginal. Eu luto pela ideia de que a caridade é um dever moral e uma virtude fundamental.

PLAYBOY: Qual é o lugar da compaixão em seu sistema filosófico?

RAND: Eu considero a compaixão como adequada apenas para aqueles que são vítimas inocentes, mas não para aqueles que são moralmente culpados. Se a pessoa sente compaixão pelas vítimas de um campo de concentração, não pode senti-lo pelos torturadores. Se alguém sentir compaixão pelos torturadores, é um ato de traição moral para com as vítimas.

PLAYBOY: Seria contra os princípios do Objetivismo para qualquer um que se sacrificar passando à frente de uma bala para proteger outra pessoa?

RAND: Não. Depende das circunstâncias. Eu passaria no caminho de uma bala se fosse destinado a meu marido. Não é autossacrifício morrer protegendo quem você valoriza: se o valor for grande o suficiente, que você não se importa em existir sem ele. Isso se aplica a qualquer alegado sacrifício por quem se ama.

PLAYBOY: Você estaria disposta a morrer por sua causa, e devem seus seguidores estar dispostos a morrer por isso? E para o objetivista verdadeiramente não altruista, é uma causa pela qual vale a pena morrer?

RAND: A resposta está clara em meu livro. Em A Revolta de Atlas explico que um homem tem de viver, e quando necessário, lutar, por seus valores - porque todo o processo de vida consiste na realização de valores. O homem não sobrevive automaticamente. Ele deve viver como um ser racional e não aceitar nada menos. Ele não pode sobreviver como um bruto. Mesmo o valor mais simples, tais como alimentos, tem que ser criado pelo homem, tem de ser plantados, tem de ser produzido. O mesmo é verdadeiro para os seus mais interessantes, as mais importantes conquistas. Todos os valores têm de ser adquiridos e mantidos pelo homem, e, se ameaçados, ele tem que estar disposto a lutar e morrer, se necessário, pelo direito de viver como um ser racional. Se você me perguntar, eu estaria disposta a morrer pelo Objetivismo? Sim. Mas o que é mais importante, eu estou disposta a viver por ele - o que é muito mais difícil.

PLAYBOY: Na sua ênfase na razão, você está em conflito filosófico com escritores contemporâneos, romancistas e poetas - muitos dos quais são auto-admitidos místicos, ou irracionalistas, como têm sido chamados. Por que é assim?

RAND: Porque a arte tem uma base filosófica, e as tendências filosóficas dominantes de hoje são uma forma de neomisticismo. A arte é uma projeção da visão fundamental que o artista tem do homem e da existência. Como a maioria dos artistas não desenvolve uma filosofia independente e própria, eles absorvem, consciente ou inconscientemente, as influências filosóficas dominantes de seu tempo. Grande parte da literatura atual é reflexo fiel da filosofia de hoje - e olhe para ela!

PLAYBOY: Mas não deve um escritor refletir o seu tempo?

RAND: Não. Um escritor deve ser um líder ativo intelectual de seu tempo, não um seguidor passivo escravo de uma corrente. Um escritor deve moldar os valores de sua cultura, deve projetar e concretizar os valiosos objetivos da vida do homem. Esta é a essência da escola romântica da literatura, que tem tudo, mas desapareceu da cena atual.

PLAYBOY: Onde estamos, literariamente falando?

RAND: No beco sem saída do naturalismo. O Naturalismo sustenta que um escritor deve ser um fotógrafo passivo ou repórter que deve transcrever acriticamente tudo o que por ventura observar ao seu redor. O Romantismo sustenta que um escritor deve apresentar as coisas não como elas são, a qualquer momento, mas, para citar Aristóteles, "como poderiam ser e devem ser."

PLAYBOY: Você diria que você é a última dos românticos?

RAND: ou a primeira de seu retorno - para citar um dos meus próprios personagens em A Revolta de Atlas.

PLAYBOY: Qual é a sua avaliação da literatura contemporânea em geral?

RAND: Filosoficamente, imoral. Esteticamente, ela me aborrece até a morte. Ela está apodrecendo em um esgoto, dedicado exclusivamente aos estudos da depravação. E não há nada tão chato quanto depravação.

PLAYBOY: Existem romancistas que você admira?

RAND: Sim. Victor Hugo.

PLAYBOY: E sobre romancistas modernos?

RAND: Não, não há ninguém que eu poderia dizer que admiro entre os escritores chamados graves. Eu prefiro a literatura popular de hoje, que é a remanescente atual do Romantismo. O meu favorito é o Mickey Spillane.

PLAYBOY: Por que você gosta dele?

RAND: Porque ele é essencialmente um moralista. Em uma forma primitiva, a forma de um romance policial, ele apresenta o conflito do bem e do mal, em termos de preto e branco. Ele não apresenta uma mistura desagradável cinza de canalhas indistinguíveis dos dois lados. Ele apresenta um conflito intransigente. Como escritor, ele é brilhante especialista no aspecto da literatura, que eu considero mais importante: estrutura do enredo.

PLAYBOY: O que você acha de Faulkner?

RAND: Não muito. Ele é um bom estilista, mas praticamente ilegível em conteúdo – assim, eu li muito pouco dele.

PLAYBOY: E sobre Nabokov?

RAND: Eu li apenas um livro e meio dele - o meio foi Lolita, que eu não consegui terminar. Ele é um estilista brilhante, ele escreve muito bem, mas suas disciplinas, o seu sentido de vida, sua visão do homem, é tão mal que nenhuma quantidade de habilidade artística pode justificá-las.

PLAYBOY: Como romancista, você considera a filosofia como o objetivo principal de sua escrita?

RAND: Não. Meu objetivo principal é a projeção de um homem ideal, do homem ", como ele pode ser e deve ser." Filosofia é o meio necessário para esse fim.

PLAYBOY: Em seu romance inicial, Cântico, seu protagonista declara: "é minha vontade que escolhe, e a escolha de minha vontade é o único edital que eu respeito." Não é isso o anarquismo? Seria o desejo ou a vontade de alguém a única lei que este deve respeitar?

RAND: Não a própria vontade. Isto é, mais ou menos, uma expressão poética deixada clara pelo contexto total da história da obra Cântico. O julgamento racional próprio. Você vê, eu uso o termo livre-arbítrio em um sentido totalmente diferente do que normalmente ligado a ele. Livre-arbítrio consiste na capacidade do homem de pensar ou não pensar. O ato de pensar é ato primário de escolha do homem. Um homem racional nunca será guiado por desejos ou caprichos, apenas por valores com base em seu julgamento racional. Essa é a única autoridade que ele pode reconhecer. Isso não significa anarquia, porque, se um homem quer viver em uma sociedade livre, civilizada, ele deveria, com razão, ter que optar por observar as leis, quando essas leis são objetivas, racionais e válidas. Eu escrevi um artigo sobre este assunto para o boletim objetivista - sobre a necessidade e função própria de um governo.

PLAYBOY: O que, na sua opinião, é a função própria de um governo?

RAND: basicamente, há apenas uma função apropriada: a proteção dos direitos individuais. Dado que os direitos podem ser violados apenas pela força física, e por certos derivados do vigor físico, a função do governo é proteger os homens daqueles que iniciam o uso da força física: dos criminosos. Força, em uma sociedade livre, pode ser usada apenas em retaliação e somente contra aqueles que iniciam seu uso. Esta é a tarefa própria de governo: para servir como um policial que protege os homens do uso da força.

PLAYBOY: Se a força pode ser usada apenas em retaliação contra a força, o governo tem o direito de usar a força para cobrar impostos, por exemplo, ou para recrutar soldados?

RAND: Em princípio, eu acredito que a tributação deve ser voluntária, como tudo mais. Mas como se poderia implementar essa é uma questão muito complexa. Eu só posso sugerir métodos certos, mas eu não tentaria insistir neles como uma resposta definitiva. A loteria do governo, por exemplo, utilizado em muitos países da Europa, é um bom método de tributação voluntária. Há outros. Taxas devem ser contribuições voluntárias para os serviços governamentais adequados que as pessoas precisam e, portanto, seria e deve estar disposto a pagar - como pagar o seguro. Mas, claro, isso é um problema para um futuro distante, para o momento em que os homens estabelecerem um sistema social totalmente livre. Esta seria a última, não a primeira reforma, a defender. Quanto ao recrutamento, é indevido e inconstitucional. É uma violação dos direitos fundamentais, do direito de um homem à sua própria vida. Nenhum homem tem o direito de enviar outro homem para lutar e morrer pela causa de quem o envia. Um país não tem o direito de forçar os homens à servidão involuntária. Exércitos devem ser estritamente voluntários, e, como as autoridades militares diriam, exércitos voluntários são os melhores exércitos.

PLAYBOY: E sobre outras necessidades públicas? Você considera o serviço postal, por exemplo, uma função legítima do governo?

RAND: Deixemos uma coisa clara. Minha posição é totalmente coerente. Não só o serviço postal, mas as ruas, as estradas, e acima de tudo, as escolas, todos devem ser de propriedade privada e de gestão privada. Defendo a separação entre Estado e economia. O governo deveria estar preocupado apenas com as questões que envolvem o uso da força. Isto significa: a polícia, as forças armadas, e os tribunais para resolver disputas entre os homens. Nada mais. Tudo o resto deveria ser de gestão privada, sendo muito melhor gerido.

PLAYBOY: Você criaria quaisquer novos departamentos governamentais ou agências?

RAND: Não, e eu realmente não posso discutir as coisas dessa forma. Eu não sou um planejador de governo, nem gasto meu tempo inventando utopias. Estou falando de princípios cujas aplicações práticas são claras. Se eu disse que sou contra a iniciação da força, o que mais tem de ser discutido?

PLAYBOY: E sobre a força na política externa? Você disse que qualquer nação livre tinha o direito de invadir a Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial. . .

RAND: Certamente.

PLAYBOY:. . . E que qualquer nação livre hoje tem o direito moral - embora não o dever - para invadir a Rússia Soviética, Cuba, ou qualquer outra “prisão”, certo?

RAND: Correto. Uma ditadura - um país que viola os direitos dos seus próprios cidadãos - é um fora da lei e não pode reivindicar qualquer direito.

PLAYBOY: Você defende ativamente que os Estados Unidos invadam Cuba ou a União Soviética?

RAND: não no momento. Eu não acho que é necessário. Eu defendo o que a União Soviética teme com todas as suas forças: um boicote econômico. Eu defendo um bloqueio de Cuba e um boicote econômico à URSS, pois você veria o colapso dos regimes sem a perda de uma única vida americana.

PLAYBOY: Você é a favor da retirada dos EUA da ONU?

RAND: Sim. Eu não sanciono a pretensão grotesca de uma organização supostamente dedicada à paz mundial e aos direitos humanos, o que inclui a Rússia Soviética, o pior agressor e mais sangrento açougueiro na história, como um dos seus membros. A noção de proteção dos direitos, com a Rússia Soviética entre os protetores, é um insulto ao conceito de direitos e à inteligência de qualquer homem que é convidado a aprovar ou sancionar tal organização. Eu não acredito que um indivíduo deva cooperar com criminosos, e, por todos os mesmos motivos, eu não acredito que os países livres devem cooperar com ditaduras.

PLAYBOY: Você defende cortar relações diplomáticas com a Rússia?

RAND: Sim.

PLAYBOY: Como você se sente sobre o tratado de proibição de testes, que foi assinado recentemente?

RAND: Eu concordo com o discurso de Barry Goldwater sobre este assunto no plenário do Senado. As melhores autoridades militares e, acima de tudo, a melhor autoridade científica, Teller, o autor da bomba de hidrogênio, afirmaram que este tratado não é apenas sem sentido, mas positivamente perigoso para a defesa dos Estados Unidos.

PLAYBOY: Se o senador Goldwater for nomeado como o candidato presidencial republicano em julho deste ano, você votaria para ele?

RAND: No momento, sim. Quando eu digo "no momento", quero dizer a data em que esta entrevista está sendo gravada. Eu concordo com ele em muitas coisas, mas eu concordo, predominantemente, com a sua política externa. De qualquer candidato disponível hoje, considero Barry Goldwater como o melhor. Eu votaria nele, se ele nos oferecer uma plataforma plausível, ou pelo menos, semiconsistente.

PLAYBOY: E quanto ao Richard Nixon?

RAND: Sou oposição a ele. Eu sou contra qualquer fisiológico ou “maria-vai-com-as-outras”, e Nixon é provavelmente o campeão nesse respeito.

PLAYBOY: E sobre o presidente Johnson?

RAND: Eu não tenho nenhuma opinião em especial sobre ele.

PLAYBOY: Você é uma anticomunista declarada, antissocialista e antiliberal (socialdemocrata nos EUA). No entanto, você rejeita a noção de que você é uma conservadora. Na verdade, você reservou um pouco da sua mais crítica mais dura aos conservadores. Qual é a sua posição, politicamente falando?

RAND: Correção. Eu nunca descrevo a minha posição em termos de pontos negativos. Eu sou uma defensora do laissez-faire, de direitos individuais - não existem outros - da liberdade individual. É por esse motivo que me oponho a qualquer doutrina que propõe o sacrifício do individual para o coletivo, como o socialismo, o comunismo, o Estado-providência, o nazismo, o fascismo e liberalismo moderno (socialdemocracia). Eu me oponho aos conservadores sobre esse mesmo terreno. Os conservadores são defensores de uma economia mista e de um estado de bem-estar. Sua diferença dos liberais é apenas uma diferença de grau, não de princípios.

PLAYBOY: Você tem cobrado que a América sofre de falência intelectual. Você inclui neste tal condenação publicações de direita como a National Review? Não é esta revista uma voz poderosa contra todas as coisas que você considera como "estatismo"?

RAND: Eu considero a National Review a pior e mais perigosa revista dos Estados Unidos. O tipo de defesa que ela oferece para os resultados do capitalismo em nada contribui a não ser para o descrédito e a destruição do capitalismo. Você quer que eu lhe diga por quê?

PLAYBOY: Sim, por favor.

RAND: Porque ele amarra o capitalismo à religião. A posição ideológica da National Review resume-se, com efeito, ao seguinte: a fim de aceitar a liberdade e capitalismo, temos que acreditar em Deus ou em alguma forma de religião, em alguma forma de misticismo sobrenatural. O que significa que não há motivos racionais que se possa defender o capitalismo. O que equivale a uma admissão de que a razão está do lado dos inimigos do capitalismo, que uma sociedade de escravos ou uma ditadura é um sistema racional, e que só no terreno da fé mística se pode crer em liberdade. Nada mais depreciativo para o capitalismo poderia ser alegado, e exatamente o oposto é verdadeiro. O capitalismo é o único sistema que pode ser defendido e validado pela razão.

PLAYBOY: Você atacou o governador Nelson Rockefeller por "misturar todos os adversários do Estado-Providência com malucos reais." Ficou claro pelas suas observações que, entre outros, ele estava apontando sua crítica na Sociedade John Birch. Você se ressente sendo mesclada com os John Birchers? Você os considera "malucos" ou uma força para o bem?

RAND: Eu me ressinto de ser aglomerada com ninguém. Eu me ressinto dos método moderno de nunca definir idéias, e agregando pessoas totalmente diferentes em um coletivo, por meio de manchas e termos depreciativos. Eu me ressinto das táticas do Governador Rockefeller e de sua recusa em identificar especificamente quem e o que ele queria dizer. Tanto quanto eu estou preocupada, eu repito, eu não quero ser aglomerada com ninguém, e certamente não com a John Birch Society. Eu considerá-los malucos? Não, não necessariamente. O que está errado com eles é que não parecem ter uma filosofia política específica, ou claramente definida. Por isso, alguns deles podem ser malucos, outros podem ser cidadãos muito bem-intencionados. Eu considero a Birch Society inútil, porque eles não são pelo capitalismo, mas apenas contra o comunismo. Percebi que eles acreditam que o desastroso estado do mundo de hoje é causado por uma conspiração comunista. Isto é infantilmente ingênuo e superficial. Nenhum país pode ser destruído por uma simples conspiração, só pode ser destruído por ideias. Os Birchers parecem ser ou não intelectuais ou anti-intelectuais. Eles não dão importância às ideias. Eles não percebem que a grande batalha no mundo de hoje é um conflito filosófico, ideológico.

PLAYBOY: Existem grupos políticos nos Estados Unidos hoje que você aprova?

RAND: grupos políticos, como tal - não. Existe algum grupo político, que seja hoje totalmente consistente? Tais grupos hoje são guiados por ou advogam contradições flagrantes.

PLAYBOY: Você tem aspirações políticas pessoais? Você já considerou concorrer a um cargo público?

RAND: Certamente que não. E eu confio que você não me odeia o suficiente para desejar uma coisa dessas para mim.

PLAYBOY: Mas você está interessada em política, ou pelo menos em teoria política, não é?

RAND: Deixe-me responder-lhe deste modo: Quando eu cheguei aqui, vinda da Rússia Soviética, eu estava interessada em política por uma única razão - para chegar o dia em que eu teria que estar interessada em política. Eu queria, para garantir uma sociedade em que eu estivesse livre para perseguir os meus próprios interesses e objetivos, sabendo que o governo não iria interferir para destrui-los, sabendo que a minha vida, meu trabalho, meu futuro não estariam à mercê do Estado ou do capricho de um ditador. Essa ainda é a minha atitude hoje. Só hoje sei que tal sociedade não é um ideal ainda alcançado, que eu não posso esperar pelos outros para conseguir isso por mim, e que eu, como qualquer outro cidadão responsável, deve fazer todo o possível para alcançá-lo. Em outras palavras, eu estou interessada em política só a fim de garantir e proteger a liberdade.

PLAYBOY: Ao longo de seu trabalho, você argumenta que a maneira em que o mundo contemporâneo é organizado, mesmo nos países capitalistas, submergem o indivíduo e reprimem a iniciativa. Em A Revolta de Atlas, John Galt lidera uma greve dos homens da mente - o que resulta no colapso da sociedade coletivista em torno deles. Você acha que o tempo chegou para artistas, intelectuais e empresários criativos de hoje retirar os seus talentos da sociedade desta forma?

RAND: Não, ainda não. Mas antes de eu explicar, eu devo corrigir uma parte da sua pergunta. O que temos hoje não é uma sociedade capitalista, mas uma economia mista - isto é, uma mistura de liberdade e controles, e que, a tendência atualmente dominante, está se movendo em direção à ditadura. A ação em A Revolta de Atlas ocorre num momento em que a sociedade teria alcançado o estágio de ditadura. Quando e se isso acontecer, então vai ser a hora de entrar em greve, mas não até então.

PLAYBOY: O que você quer dizer com ditadura? Como você a define?

RAND: Uma ditadura é um país que não reconhece os direitos individuais, cujo governo detém o poder total e ilimitado sobre os homens.

PLAYBOY: Qual é a linha divisória, pela sua definição, entre uma economia mista e uma ditadura?

RAND: A ditadura tem quatro características: regime de partido único, execuções sem julgamento por delitos políticos, expropriação ou nacionalização da propriedade privada, e censura; sobretudo, esse último. Enquanto os homens puderem falar e escrever livremente, desde que não haja censura, eles ainda têm a chance de reformar a sociedade ou para colocá-la em um caminho melhor. Quando a censura é imposta, esse é o sinal de que os homens devem entrar em greve intelectualmente, querendo dizer, não devem cooperar com o sistema social de nenhuma maneira.

PLAYBOY: Depois dessa greve, o que você acha que deve ser feito para trazer as mudanças sociais que considera desejável?

RAND: São ideias que determinam as tendências sociais, que criam ou destroem os sistemas sociais. Portanto, as ideias corretas, a filosofia correta, devem ser defendidas e espalhadas. Os desastres do mundo moderno, incluindo a destruição do capitalismo, foram causados ??pela filosofia altruísta-coletivista. É o altruísmo que os homens devem rejeitar.

PLAYBOY: E como você definiria o altruísmo?

RAND: É um sistema moral que sustenta que o homem não tem direito de existir por si mesmo, que o serviço aos outros é a única justificativa de sua existência, e que o autossacrifício é o seu maior dever moral, valor e virtude. Esta é a base moral do coletivismo, de todas as ditaduras. A fim de obter a liberdade e o capitalismo, os homens precisam de um código não místico, não altruístico, um código racinal para a ética - uma moralidade que sustente que o homem não é um animal de sacrifício, que ele tem o direito de existir por si mesmo, nem se sacrificar para os outros, nem os outros para aquele. Em outras palavras, o que é desesperadamente necessário, hoje, é a ética do Objetivismo.

PLAYBOY: Então o que você está dizendo é que, para alcançar essas mudanças deve-se usar métodos essencialmente educativos ou de propaganda?

RAND: Sim, claro.

PLAYBOY: O que você acha da afirmação de seus antagonistas de que os princípios morais e políticos do Objetivismo colocam-no fora do mainstream do pensamento americano?

RAND: Eu não considero ou reconheço tal conceito como "corrente principal de pensamento." Isso pode ser apropriado para uma ditadura, para uma sociedade coletivista em que o pensamento é controlado e em que existe um mainstream coletivo - de slogans, não do pensamento. Não há tal coisa nos Estados Unidos. Nunca houve. No entanto, já ouvi falar que esta expressão foi utilizada para efeitos de restringir da comunicação pública qualquer inovador, qualquer não conformista, qualquer um que tem algo original para oferecer. Eu sou inovadora. Este é um termo de distinção, um termo de honra, em vez de algo a esconder ou desculpar. Qualquer pessoa que tem idéias novas ou valiosas para oferecer está fora do status quo intelectual. Mas o status quo não é uma corrente, muito menos um mainstream. É um pântano estagnado. São os inovadores que levam a humanidade para a frente.

PLAYBOY: Você acredita que o Objetivismo como filosofia acabará por varrer o mundo?

RAND: Ninguém pode responder a uma pergunta desse tipo. Os homens têm livre-arbítrio. Não há garantia de que eles escolherão serem racionais, a qualquer momento ou em qualquer geração. Nem é necessário para uma filosofia "varrer o mundo." Se você perguntar a questão de uma forma um pouco diferente, se você disser, eu acho que Objetivismo será a filosofia do futuro, eu diria que sim, mas com esta qualificação: se os homens se voltarem para a razão, se não forem destruídos por ditaduras e precipitados em outra Idade das Trevas, se os homens forem livres o suficiente para ter tempo para pensar, então o Objetivismo é a filosofia que irão aceitar.

PLAYBOY: Por quê?

RAND: Em qualquer período histórico em que os homens foram livres, sempre foi a filosofia mais racional que prevaleceu. É a partir dessa perspectiva que eu diria, sim, o Objetivismo vai prevalecer. Mas não há nenhuma garantia, nenhuma necessidade pré-determinado sobre isso.

PLAYBOY: Você é fortemente crítica do mundo como você o vê hoje, e seus livros oferecem propostas radicais para mudar não só a forma de sociedade, mas a própria maneira em que a maioria dos homens trabalha, pensa e ama. Você é otimista sobre o futuro do homem?

RAND: Sim, eu sou otimista. Coletivismo, como um poder intelectual e um ideal moral, está morto. Mas a liberdade e o individualismo, e sua expressão política, o capitalismo, ainda não foram descobertos. Acho que os homens vão ter tempo para descobri-los. É significativo que a moribunda filosofia coletivista de hoje tenha produzido nada além de um culto à depravação, à impotência e ao desespero. Olhar para a arte moderna e para a literatura, com a sua imagem do homem como uma criatura, impotente irracional fadada ao fracasso à frustração e à destruição. Esta pode ser a confissão psicológica dos coletivistas, mas não é uma imagem do homem. Se fosse, nunca teria ascendido da caverna. Mas nós fizemos. Olhe ao seu redor e olhe para a história. Você vai ver as realizações da mente do homem. Você vai ver potencialidade ilimitada do homem para a grandeza, e a faculdade que torna isto possível. Você vai ver que o homem não é um monstro indefeso por natureza, mas ele se torna um quando ele descarta aquela faculdade: sua mente. E se você me perguntar, o que é grandeza? - eu vou responder, é a capacidade de viver pelos três valores fundamentais de John Galt: razão, propósito e autoestima.

__________________________________________

Tradução de Roberto Rachewsky

Revisão de Matheus Pacini

Publicado originalmente por Playboy

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

__________________________________________