A ética é a ciência que estuda a natureza do bem. Mas o que exatamente isso quer dizer?

Muitos filósofos enxergam a bondade como um existente absoluto e transcendental, dissociado das consequências práticas da ação. Outros negam a validade de princípios universais em prol da praticidade momentânea, afirmando que devemos julgar uma ação apenas por suas consequências. Para os primeiros, devemos agir corretamente, independentemente das consequências de nossas ações – para os últimos, os fins justificam – e são independentes – dos meios. Ayn Rand rejeita veementemente essa dicotomia.

Nesse vídeo, Bill Pedroso introduz a ética objetivista, baseada na identificação racional da natureza humana, e fala sobre suas consequências políticas. Seja no contexto individual ou social, só podemos alcançar bons resultados de forma consistente através da adoção de bons princípios – e a aplicação consistente de bons princípios leva, necessariamente, a bons resultados. Não devemos – nem podemos – escolher entre um governo que se paute por leis justas, e um que busque o bem-estar de seus cidadãos. A prosperidade econômica é uma consequência, e não uma alternativa à justiça.