Category: Sem categoria

Fundamentos éticos e políticos do liberalismo

FUNDAMENTOS ÉTICOS E POLÍTICOS DO LIBERALISMO.

Hoje mais do que nunca temos que apostar nas ideias que permitem um mundo mais aberto, globalizado e pacífico.

Ao longo da história, o liberalismo tem sustentado que o homem tem direitos (vida, propriedade e busca da sua própria felicidade) e que, quando um governo viola esses direitos, torna-se uma ditadura.

Por outro lado, os defensores do coletivismo, estatismo, intervencionismo e populismo sustentam que esses direitos ou não existem como tais, ou que, se existem, constituem apenas “direitos secundários” que devem ser subordinados a um bem maior, o “bem comum” ou “o bem da maioria.”

Historicamente, os ingleses foram os primeiros a insistir frente a seus reis que tais direitos existiam e que deveriam ser respeitados: a “Carta Magna”, escrita em 1215 contra os abusos do rei João Sem-Terra exige não apenas justiça equitativa e rápida, mas também livre comércio, livre circulação, respeito pela propriedade privada e limites ao poder do rei.

A Revolução Gloriosa de 1688 insiste na validade desses direitos.

Confira a reflexão completa no link abaixo.

Ler »

Religião versus progresso

RELIGIÃO VERSUS PROGRESSO

O tão esperado progresso econômico e social só será possível quando tivermos a separação definitiva entre fé e Estado.

Confira a explicação de Eduardo Marty.

Ler »

Inveja, o sentimento autodestrutivo que alimenta a decadência argentina

O PROBLEMA DA INVEJA

Se houve um sentimento que alimentou o populismo argentino ao longo de nossa história, foi o da inveja. Dos caudilhos a Rosas, de Perón a Galtieri, de Néstor a Cristina.

A inveja tem sido a droga que nós, argentinos, usamos para redirecionar nossas frustrações e inseguranças. Usamos isso para transformar impotência em ódio, direcionando-o para terceiros cuja única falha foi ter sucesso em empreendimentos em que nós fracassamos.

A quem odiamos? Àquele que ousou revelar nossa falta de aptidão e incapacidade.

Como ele fez tal revelação? Atreveu-se a mostrar suas qualidades, capacidades e aptidões.

Em dois excelentes podcasts, o filósofo canadense-americano Stephen Hicks, autor do best-seller Guerra cultural: Como o pós-modernismo criou uma narrativa de desconstrução do ocidente refere-se à inveja como um sentimento autodestrutivo e autoSsabotador.

Confira a reflexão de Eduardo Marty.

Ler »

“A preocupação do criador é a conquista da natureza. A preocupação do parasita é a conquista dos homens.”

ENSAIO VENCEDOR DO CONCURSO DE ARTIGOS DE “A NASCENTE”, 2019.

Em seu discurso culminante no tribunal, Howard Roark afirma: “A preocupação do criador é a conquista da natureza. A preocupação do parasita é a conquista dos homens.” Explique como essa citação se relaciona com o tema conforme dramatizado pelos personagens de Howard Roark, Peter Keating e Ellsworth Toohey.

Confira a resposta no texto de hoje.

Ler »

A estratégia racional da empatia

COMO USAR A EMPATIA DE UMA FORMA RACIONAL, COMO UM PROCESSO DE COMPREENSÃO DE SENTIMENTOS?

Jean Moroney explica como no link abaixo.

Ler »

Uma alternativa para a regra do “sem escolha”

UMA ALTERNATIVA PARA A REGRA DO “SEM ESCOLHA”

Jean Moroney reflete sobre como lidar com suas escolhas em contextos distintos, tendo uma consciência plena.

Evite dizer que você “não tem escolha”. Entenda a razão no artigo de hoje.

Ler »
>