Objetivismo Brasil - A Filosofia de Ayn Rand em Português.

Author: Roberta Contin

A superioridade moral do capitalismo

Ayn Rand dizia que “pessoas não abraçam o coletivismo porque aceitaram uma má teoria econômica; elas aceitam uma má teoria econômica porque abraçaram o coletivismo”.

Quer saber por quê? Veja a resposta no artigo de hoje. Dica: o capitalismo precisa de um argumento moral.

Ler »

O que espero da educação formal de meu filho?

Permita-me explicar o que considero ser uma educação adequada. A educação formal deve preparar as crianças e os adolescentes para a vida, desenvolvendo neles as ferramentas fundamentais para que sobrevivam e prosperem, tendo uma vida satisfatória. Ela deve treinar a mente, fornecendo o conhecimento para formar pessoas maduras, racionais, livres e aptas a fazer seus próprios julgamentos. Considerando que nosso

Ler »

A importância do trabalho na busca por uma vida com significado

O dia 01 de maio é mundialmente conhecido como o Dia do Trabalho. Essa data também marca o dia da trágica morte de Ayrton Senna: um ídolo do automobilismo que não só foi um piloto de F1 de sucesso, como também uma personalidade que conquistou a admiração e o carinho dos brasileiros. Sua vida era seu trabalho. E seu trabalho,

Ler »

Afinal, o que é felicidade? Algumas reflexões.

Desconheço quem não deseje ser feliz. A busca pela felicidade é uma constante na vida das pessoas. No entanto, ela sempre parece estar “na parada seguinte”, “na próxima estação”, “no final do arco-íris”. É uma busca incessante e, muitas vezes, frustrante. As pessoas almejam ser felizes. É uma obstinação legítima, genuína e plenamente realizável. O problema é que elas tendem

Ler »

Por que precisamos julgar?

O ato de julgar é realmente negativo e condenável? Devemos evitar fazer julgamentos morais? A resposta automática a esses questionamentos costuma ser afirmativa: julgar parece, sim, algo condenável. Crescemos ouvindo que é reprovável julgar os outros, que não devemos julgar para não sermos julgados, que não estamos na “pele” do outro para entender seus motivos, e que ninguém é perfeito.

Ler »

Como percebo a realidade?

A filosofia objetivista convive com a afirmação categórica de Ayn Rand de que o homem tem a alternativa de pensar ou não pensar. Para o Objetivismo, existem três axiomas básicos – existência, consciência e identidade – que são autoevidentes a nível perceptual, independendo de prova, portanto. A existência existe. Uma afirmação simples, porém fundamental para alicerçar todo o resto. Para

Ler »

Fazer o bem sem olhar a quem é uma boa ideia?

Quando dezembro se aproxima – seja pelo Natal, pela iminência do fim de ano ou pelo dia de Thanksgiving (Dia de Ação de Graças) – a exigência de se fazer caridade aparece com ainda mais força. Encerrar o ano ajudando os menos favorecidos parece elevar os caridosos a um patamar moral que os libera da culpa com que convivem, mesmo

Ler »

Ser racional impede o amor romântico?

Desde sempre me considerei uma pessoa racional, mas não sabia que era objetivista. Na busca por um relacionamento amoroso, percebi, desde cedo, que a pessoa deveria preencher alguns requisitos. Na época, não entendia que meus “requisitos” eram, na verdade, valores dos quais eu não abdicaria. Poucas concessões até eram toleráveis, mas o custo delas não poderia ser muito alto. Hoje,

Ler »
>