AS RAÍZES DA GUERRA

ESSE ENSAIO FOI ORIGINALMENTE PUBLICADO NA EDIÇÃO DE JUNHO DE 1966 DE “THE OBJECTIVIST NEWSLETTER” E CONSTA NA OBRA AINDA NÃO TRADUZIDA “CAPITALISMO: THE UNKNOWN IDEAL”.

Dizem que as armas nucleares tornaram as guerras horríveis demais para serem contempladas. No entanto, todas as nações da Terra sentem, em terror impotente, que essa guerra poderia ocorrer. A esmagadora maioria da humanidade — as pessoas que morrem nos campos de batalha ou passam fome e falecem em meio a ruínas — não quer guerra. Eles nunca quiseram. No entanto, as guerras continuaram ocorrendo ao longo dos séculos, com um longo rastro de sangue marcando a história da humanidade. Os homens temem que a guerra ocorra porque sabem, consciente ou subconscientemente, que nunca rejeitaram a doutrina que gerou, gera e gerará guerras — a doutrina de que é certo, prático ou necessário que os homens atinjam seus objetivos por meio da força física (ao iniciar o uso da força contra outros homens) e que algum tipo de “bem” pode justificá-lo. É a doutrina de que a força é uma parte própria ou inevitável da existência e das sociedades humanas. Observe uma das características mais horríveis do mundo atual: a mistura de preparativos frenéticos de guerra com propaganda histérica de paz, e o fato de que ambos vêm da mesma fonte, da mesma filosofia política. A filosofia política falida, mas ainda dominante de nossa época, é o estatismo.

Observe a natureza dos supostos movimentos atuais de paz. Professando amor e preocupação pela sobrevivência da humanidade, continuam gritando que a corrida armamentícia deve ser interrompida, que a força armada deve ser abolida para resolver disputas entre as nações e que a guerra deve ser proibida em nome da humanidade. No entanto, esses mesmos movimentos de paz não se opõem às ditaduras; as visões políticas de seus membros abrangem todos os matizes do espectro estatista, do estatismo de bem-estar ao socialismo, do fascismo ao comunismo. Isso significa que eles se opõem ao uso de coerção por uma nação contra a outra, mas não pelo governo de uma nação contra seus próprios cidadãos; significa que se opõem ao uso da força contra adversários armados, mas não contra os desarmados.

Considere a pilhagem, a destruição, a fome, a brutalidade, os campos de trabalho escravo, as câmaras de tortura, o assassinato em massa perpetrado pelas ditaduras. No entanto, é isso que os supostos amantes da paz de hoje estão dispostos a defender ou tolerar – em nome do amor pela humanidade. É óbvio que a raiz ideológica do estatismo (ou coletivismo) é a premissa tribal dos primeiros selvagens que, incapazes de conceber os direitos individuais, acreditavam que a tribo era o governante supremo e onipotente, que possui a vida de seus membros e pode sacrificá-los sempre que quiser para o que considerar ser seu próprio “bem”. Incapazes de conceber quaisquer princípios sociais, exceto o domínio da força bruta, acreditavam que os desejos da tribo são limitados apenas por seu poder físico, e que outras tribos são sua presa natural a ser conquistada, saqueada, escravizada ou aniquilada. A história de todos os povos primitivos é uma sucessão de guerras tribais e matanças intertribais. O fato de que essa ideologia selvagem agora governe nações armadas com armas nucleares deve deixar qualquer pessoa preocupada com a sobrevivência da humanidade muito pensativa. O estatismo é um sistema de violência institucionalizada e guerra civil perpétua. Não permite que os homens escolham: só resta lutar para tomar o poder político, roubar ou ser roubado, matar ou ser morto.

Quando a força bruta é o único critério de conduta social, e a entrega irresistível à destruição é a única alternativa, mesmo o mais vil dos homens, mesmo um animal – mesmo um rato encurralado – lutará. Não pode haver paz dentro de uma nação escravizada. Os conflitos mais sangrentos da história não foram guerras entre nações, mas guerras civis entre homens de uma mesma nação, que não encontraram nenhum recurso pacífico à lei, princípio ou justiça.

Observe que a história de todos os estados absolutos é pontuada por revoltas sangrentas – por violentas erupções de desespero cego, sem ideologia, programa ou objetivos – que geralmente foram reprimidas por extermínio implacável. Em plena ditadura, a crônica guerra civil “fria” do estatismo toma a forma de expurgos sangrentos, quando uma gangue depõe outra – como na Alemanha nazista ou na Rússia soviética. Em uma economia mista, assume a forma de guerra de grupos de pressão, cada grupo lutando por legislação para extorquir suas próprias vantagens pela força de todos os outros. O grau de estatismo no sistema político de um país é o grau em que divide o país em gangues rivais e coloca os homens uns contra os outros.

Quando os direitos individuais são revogados, não há como determinar quem tem direito a quê; não há como determinar a justiça das reivindicações, desejos ou interesses de alguém. O critério, portanto, reverte ao conceito tribal: os desejos de alguém são limitados apenas pelo poder de sua gangue. Para sobreviver nesse sistema, os homens não têm escolha a não ser temer, odiar e destruir uns aos outros; é um sistema de conspiração clandestina, de conspirações secretas, de acordos, favores, traições e golpes repentinos e sangrentos. Não é um sistema que conduz à fraternidade, à segurança, à cooperação e à paz. O estatismo — de fato e em princípio — nada mais é do que o domínio das gangues. Uma ditadura é uma quadrilha dedicada a saquear o esforço dos cidadãos produtivos de seu próprio país. Quando um governante estatista esgota a economia de seu próprio país, ele ataca seus vizinhos. É seu único meio de adiar o colapso interno e prolongar seu governo. Um país que viola os direitos de seus próprios cidadãos não respeitará os direitos de seus vizinhos. Quem não reconhece os direitos individuais, não reconhecerá os direitos das nações: uma nação é apenas um conjunto de indivíduos. O estatismo precisa de guerra; um país livre, não. O estatismo sobrevive saqueando; um país livre, produzindo. Observe que as grandes guerras da história foram iniciadas pelas economias mais controladas da época contra as mais livres. Por exemplo, a I Guerra Mundial foi iniciada pela Alemanha monarquista e pela Rússia czarista que arrastaram seus aliados mais livres. A II Guerra Mundial foi iniciada pela aliança da Alemanha nazista com a Rússia Soviética e seu ataque conjunto à Polônia. Observe que, na II Guerra Mundial, tanto a Alemanha quanto a Rússia apreenderam e desmantelaram fábricas inteiras em países conquistados, para enviá-las para casa – enquanto a mais livre das economias mistas, os Estados Unidos semicapitalista, enviou bilhões em equipamentos e arrendamento, incluindo fábricas inteiras, para seus aliados. A Alemanha e a Rússia precisavam da guerra; os Estados Unidos não, e não ganharam nada. (Na verdade, os Estados Unidos perderam, economicamente, apesar de terem vencido a guerra: ficaram com uma enorme dívida nacional, aumentada pela política grotescamente fútil de apoiar antigos aliados e inimigos até hoje.)

No entanto, é ao capitalismo que os atuais amantes da paz se opõem, e é o estatismo que eles defendem – em nome da paz. O capitalismo laissez-faire é o único sistema social baseado no reconhecimento dos direitos individuais e, portanto, o único sistema que proíbe a força nas relações sociais. Pela natureza de seus princípios e interesses básicos, é o único sistema que se opõe fundamentalmente à guerra. Homens que são livres para produzir não têm incentivo para saquear; não têm nada a ganhar com a guerra, e muito a perder. Ideologicamente, o princípio dos direitos individuais não permite que um homem busque seu próprio sustento na ponta de uma arma, dentro ou fora do país. Do ponto de vista econômico, as guerras custam dinheiro; em uma economia livre, onde a riqueza é propriedade privada, os custos da guerra saem da renda dos cidadãos privados – não há tesouro “público” – e um cidadão não pode recuperar suas próprias perdas financeiras (como impostos ou deslocamentos de negócios ou destruição de propriedades) vencendo a guerra. Assim, seus próprios interesses econômicos estão do lado da paz. Em uma economia estatista, onde a riqueza é “propriedade pública”, um cidadão não tem interesses econômicos para proteger preservando a paz – ele é apenas uma gota no balde comum – enquanto a guerra lhe dá a (falsa) esperança de esmolas maiores de seus mestres. Do ponto de vista ideológico, ele é treinado para considerar os homens como animais de sacrifício; ele mesmo é um; ele não pode consegue entender por que os estrangeiros não devem ser sacrificados no mesmo altar público para o benefício do mesmo Estado.

O comerciante e o guerreiro têm sido antagonistas fundamentais ao longo da história. O comércio não floresce nos campos de batalha, as fábricas não produzem sob bombardeios, os lucros não crescem nos escombros. O capitalismo é uma sociedade de comerciantes, fato pelo qual foi denunciado por todos os pretensos guerreiros que consideram o comércio como “egoísta”, e a conquista como “nobre”. Que aqueles realmente preocupados com a paz observem que o capitalismo deu à humanidade o mais longo período de paz na história – um período durante o qual não houve guerras envolvendo todo o mundo civilizado – desde o fim das Guerras Napoleônicas, em 1815 até a eclosão da I Guerra Mundial, em 1914. Devemos lembrar que os sistemas políticos do século XIX não eram puro capitalismo, mas economias mistas. O elemento de liberdade, no entanto, era dominante; foi o mais próximo de um século de capitalismo que a humanidade chegou. Mas o elemento do estatismo continuou crescendo ao longo do século XIX e, quando explodiu o mundo em 1914, os governos envolvidos estavam dominados por políticas estatistas.

Assim como nas questões internas todos os males causados ​​pelo estatismo e pelos controles governamentais foram atribuídos ao capitalismo e ao livre mercado, nas relações externas, todos os males das políticas estatais foram atribuídos ao capitalismo. Mitos como o “imperialismo capitalista”, “aproveitamento da guerra” ou a noção de que o capitalismo tem que ganhar “mercados” via conquista militar são exemplos da superficialidade ou falta de escrúpulos dos comentaristas e historiadores estatistas. A essência da política externa do capitalismo é o livre comércio – isto é, a abolição das barreiras comerciais, das tarifas protecionistas, dos privilégios especiais – a abertura das rotas comerciais do mundo para o livre intercâmbio internacional e a competição entre os cidadãos privados de todos os países que lidam diretamente com um outro. Durante o século XIX, foi o livre comércio que libertou o mundo, minando e destruindo os remanescentes do feudalismo e a tirania estatista das monarquias absolutas.

Assim como Roma, o mundo aceitou o império britânico porque abriu canais mundiais para o comércio em geral. Embora o governo repressivo ainda fosse imposto em um grau considerável à Irlanda com resultados muito ruins, em geral as exportações invisíveis da Inglaterra eram a lei e o livre comércio. Praticamente falando, enquanto a Inglaterra governava os mares, qualquer homem de qualquer nação podia ir a qualquer lugar, navegando com seus bens e dinheiro em segurança. Como no caso de Roma, quando o elemento repressivo da economia mista da Inglaterra cresceu e transformou o estatismo em sua política dominante, seu império se desfez. Não foi a força militar que a manteve unida. O capitalismo ganha e mantém seus mercados pela livre concorrência, dentro e fora do país. Um mercado conquistado pela guerra só pode ter valor (temporariamente) para aqueles defensores de uma economia mista que procuram fechá-la à concorrência internacional, impor regulamentações restritivas e, assim, adquirir privilégios especiais pela força. O mesmo tipo de empresários que buscam vantagens especiais pela ação governamental em seus próprios países, buscam mercados especiais pela ação governamental no exterior. À custa de quem? À custa da esmagadora maioria dos empresários que pagavam os impostos por tais empreendimentos, mas nada ganhavam. Quem justificou tais políticas e as vendeu ao público? Os intelectuais estatistas que fabricaram doutrinas como “interesse público” ou “prestígio nacional” ou “destino manifesto”. Os verdadeiros aproveitadores da guerra de todas as economias mistas eram e são desse tipo: homens com influência política que adquirem fortunas por causa do governo, durante ou depois de uma guerra – fortunas que não poderiam ter adquirido em um mercado livre. Lembre-se de que os cidadãos — sejam ricos ou pobres, empresários ou trabalhadores — não têm poder para iniciar uma guerra. Esse poder é prerrogativa exclusiva de um governo. Que tipo de governo tem mais probabilidade de mergulhar um país na guerra: um governo de poderes limitados, limitado por restrições constitucionais – ou um governo ilimitado, aberto à pressão de qualquer grupo com interesses ou ideologias bélicas, um governo capaz de comandar exércitos para marchar ao sabor de um único chefe? No entanto, não é um governo limitado que os amantes da paz de hoje estão defendendo. Desnecessário dizer que o pacifismo unilateral é apenas um convite à agressão. Assim como um indivíduo tem o direito de autodefesa, um país livre também tem, caso for atacado. Mas isso não dá ao seu governo o direito de convocar homens para o serviço militar, que é a violação mais flagrantemente estatista do direito de um homem à sua própria vida. Não há nenhuma contradição entre o moral e o prático: um exército voluntário é o exército mais eficiente, como testemunharam muitas autoridades militares. Um país livre sempre contou com voluntários quando foi atacado por um agressor estrangeiro. Mas poucos homens se voluntariaram para conflitos como a Coréia ou o Vietnã. Sem exércitos convocados, as políticas externas de economias estatistas ou mistas não seriam possíveis. Enquanto um país for semilivre, seus aproveitadores de economia mista não são a fonte de suas influências ou políticas bélicas, e não são a principal causa de seu envolvimento na guerra. Eles são apenas catadores políticos lucrando com uma tendência pública. A causa primária dessa tendência são os intelectuais de economia mista. Observe a ligação entre estatismo e militarismo na história intelectual dos séculos XIX e XX. Assim como a destruição do capitalismo e a ascensão do totalitarismo não foram causados por negócios, trabalho ou quaisquer interesses econômicos, mas pela ideologia estatista dominante dos intelectuais, assim também o ressurgimento das doutrinas de conquista militar e cruzadas armadas por interesses políticos ideais foram produto da crença dos mesmos intelectuais de que “o bem” deve ser alcançado pela força. A ascensão de um espírito de imperialismo nacionalista nos Estados Unidos não veio da direita, mas da esquerda, não dos interesses das grandes empresas, mas dos reformadores coletivistas que influenciaram as políticas de Theodore Roosevelt e Woodrow Wilson. Para uma história dessas influências, veja The Decline of American Liberalism, de Arthur A. Ekirch, Jr.

Em tais casos [escreve o professor Ekirch] como a crescente aceitação dos progressistas do treinamento militar obrigatório e do fardo do homem branco, havia lembretes óbvios do paternalismo de grande parte de sua legislação de reforma econômica. O imperialismo, de acordo com um estudo recente da política externa americana, foi uma revolta contra muitos dos valores do liberalismo tradicional. “O espírito do imperialismo era uma exaltação do dever acima dos direitos, do bem-estar coletivo acima do interesse individual, dos valores heróicos acima do materialismo, da ação em vez da lógica, do impulso natural sobre o intelecto pálido.” Em relação a Woodrow Wilson, o professor Ekirch escreve: “Wilson, sem dúvida, teria preferido que o crescimento do comércio exterior dos Estados Unidos ocorresse como resultado da livre concorrência internacional, mas achou fácil, com suas ideias de moralismo e dever, racionalizar a intervenção americana direta como meio de salvaguardar o interesse nacional. Ele [Wilson] parecia sentir que os Estados Unidos tinham a missão de espalhar suas instituições – que ele concebia como liberais e democráticas – para as áreas mais ignorantes do mundo”. Não foram os defensores do capitalismo que ajudaram Wilson a levar uma nação relutante e amante da paz à histeria de uma cruzada militar – foi a revista “liberal” The New Republic. Seu editor, Herbert Croly, usou tais argumentos como: “A nação americana precisa do tônico de uma séria aventura moral”. Assim como Wilson, um reformador “liberal”, liderou os Estados Unidos na I Guerra Mundial, “para tornar o mundo seguro para a democracia” – Franklin D. Roosevelt, outro reformador “liberal”, liderou-os na II Guerra Mundial, no nome das “Quatro Liberdades”. Em ambos os casos, os “conservadores” – e os interesses das grandes empresas – opuseram-se esmagadoramente à guerra, mas foram silenciados. No caso da II Guerra Mundial, eles foram difamados como “isolacionistas” e “reacionários”. A I Guerra Mundial levou não à “democracia”, mas à criação de três ditaduras: Rússia Soviética, Itália fascista e Alemanha nazista. A II Guerra Mundial levou não às “Quatro Liberdades”, mas à rendição de um terço da população mundial à escravidão comunista.

Se a paz fosse o objetivo dos intelectuais atuais, um fracasso dessa magnitude – e a evidência de sofrimento indescritível em tão grande escala – fá-los-ia parar e verificar suas premissas estatistas. Em vez disso, cegos a tudo, menos ao ódio ao capitalismo, agora afirmam que “a pobreza gera guerras” (e justificando a guerra simpatizando com uma “ganância material” desse tipo). Mas a questão é: o que gera a pobreza? Se você olhar para o mundo e para a história, verá a resposta: o grau de liberdade de um país é o grau de sua prosperidade. Outro bordão atual é a queixa de que as nações do mundo estão divididas entre os que têm e os que não têm. Observe que os “que têm” são aqueles que têm liberdade, e que é a liberdade que os “despossuídos” não têm. Se os homens querem se opor à guerra, devem se opor ao estatismo. Enquanto mantiverem a noção tribal de que o indivíduo é o animal de sacrifício para o coletivo, que alguns homens têm o direito de governar outros pela força, e que algum (qualquer) suposto “bem” pode justificá-lo – não pode haver paz dentro de uma nação e nenhuma paz entre as nações.

É verdade que as armas nucleares tornaram as guerras horríveis demais para serem contempladas. Mas não faz diferença para um homem se ele é morto por uma bomba nuclear, uma dinamite ou um porrete. Tampouco o número de outras vítimas ou a escala da destruição fazem qualquer diferença para ele. E há algo de obsceno na atitude daqueles que consideram horror como uma questão de números, que estão dispostos a enviar um pequeno grupo de jovens para morrer pela tribo, mas gritam contra o perigo para a própria tribo. E mais: que estão dispostos a tolerar o massacre de vítimas indefesas, mas marcham em protesto contra as guerras entre os países armados. Enquanto os homens forem subjugados pela força, lutarão e usarão todas as armas disponíveis. Se um homem for levado a uma câmara de gás nazista ou a um pelotão de fuzilamento soviético, sem vozes levantadas para defendê-lo, ele sentiria algum amor ou preocupação pela sobrevivência da humanidade? Ou estaria mais justificado em sentir que uma humanidade canibal, que tolera ditaduras, não merece sobreviver? Se as armas nucleares são uma ameaça terrível e a humanidade não pode mais permitir a guerra, então a humanidade não pode suportar o estatismo por mais tempo. Que nenhum homem de bem tome em sua consciência defender a regra da força – fora ou dentro de seu próprio país. Que todos aqueles que estão realmente preocupados com a paz – aqueles que amam o homem e se preocupam com sua sobrevivência – percebam que, se a guerra deve ser proibida, é o uso da força que deve ser proibido.

________________________________

Publicado originalmente em Ayn Rand Institute.

Traduzido por Maria Beatriz.

Revisado por Matheus Pacini.

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

__________________________________________

>