A refutação formal do determinismo e a validação do livre-arbítrio (volição libertária)

O determinismo é a doutrina de que todos os eventos, incluindo as escolhas humanas, resultam necessariamente de eventos anteriores e que nenhuma decisão humana poderia ter sido diferente do que foi.

O Objetivismo sustenta que o determinismo, especialmente com respeito à consciência conceitual humana, é autorrefutável, já que impossibilita qualquer tipo de conhecimento conceitual. Já que isso inclui a premissa do próprio determinismo, tal determinismo é incoerente. Essa autorrefutação do determinismo se estende não apenas ao chamado “determinismo rígido”, mas também ao compatibilismo. Na verdade, estende-se a qualquer teoria que não reconheça uma escolha fundamental feita pelo indivíduo que determina crenças conceituais.

(A única forma de sustentar o determinismo de forma autoconsistente é sustentar que as crenças conceituais são totalmente infalíveis, e que não existe tal coisa como uma crença falsa. E, então, não haveria necessidade de argumentar a favor do determinismo ou mesmo afirmá-lo: todos concordariam a respeito de todos os problemas que eles experimentaram.)

Assim, uma teoria libertária de livre-arbítrio seria a única defensável. O restante dessa postagem explicará como e por que isso acontece. Primeiro, para simplicidade intuitiva, farei uso de uma analogia muito apropriada para mentes, crenças e verdades humanas. Em seguida, apresentarei uma reductio ad absurdum formal do determinismo físico-mental tanto na forma não abreviada quanto na forma abreviada. Em seguida, descreverei brevemente a teoria objetivista do livre-arbítrio (volição) e sua consistência com a visão objetivista da causalidade e as leis da física.

A analogia da moeda

Imagine uma mesa com duas cartas, uma em cima da outra. Uma delas tem uma imagem do lado da “cara” de uma moeda, a outra, do lado da “coroa”. Uma pessoa perto da mesa pode colocar qualquer uma das cartas para cima.

Agora imagine que há um robô que joga moedas na mesa. O robô tem um comando de variabilidade, de modo que ele não joga uma moeda exatamente da mesma forma todas as vezes. Agora, digamos que demos a ele uma moeda de dez centavos e ele a jogue sobre a mesa. Se a moeda cair com cara quando a carta cara está no topo, a moeda corresponde à carta e é considerada “correta”. Da mesma forma, coroa combina com coroa. Se a moeda mostrar o lado oposto da carta de cima, diz-se “incorreto”.

Agora, o lado que a moeda mostra é o resultado inexorável das forças físicas sobre a moeda na hora do lançamento. Não é causado pela carta que está no topo. Nessa situação, podemos dizer que, quando a moeda está “correta”, ela “sabe” qual carta está no topo? Não. A correspondência é o resultado de uma coincidência. Para dizermos que a moeda efetivamente “sabe” qual carta está no topo, o lado que a moeda mostra deve ser causado pelo fato de que a carta está no topo, e não por fatores físicos externos.

Agora, digamos que usemos ímãs para projetar a situação de modo que qualquer que seja a carta no topo, ele inexoravelmente fará com que a moeda gire com o lado correspondente para cima. Agora, podemos dizer que a moeda “sabe” qual carta está no topo? Não, ainda não podemos. A moeda segue infalivelmente os ímãs, quer eles façam com que suas faces correspondam às cartas ou não. O que infalivelmente “sabe” é apenas o estado dos ímãs. Qualquer correspondência da moeda com as cartas ainda é uma coincidência da disposição dos ímãs e das cartas.

Como conseguimos uma moeda que pode “saber” qual carta está no topo? A moeda deve ser capaz de ver o estado das cartas e responder girando-se para corresponder. Se a moeda fizer isso automaticamente, por uma ligação causal direta entre sua rotação e a imagem das cartas, então, sua correspondência com as cartas é infalível: nunca pode estar errado. Como obtemos uma moeda que pode saber qual carta está no topo, mas ainda assim é falível e potencialmente capaz de dar respostas “incorretas”?

A única forma de a moeda tanto ser falível como ter a capacidade de saber qual carta está no topo é se a moeda for capaz de escolher passar por um processo que permita que sua posição “cara” seja causada pelo lado “cara” da carta estando visível, e sua posição “coroa” ser causada pela carta “coroa” estando visível. Em essência, a moeda escolhe fazer seu giro ser causado pela carta visível. Quando a moeda escolhe passar pelo processo, pode ver que sua posição de repouso foi causada pela imagem da carta de cima. No entanto, também é falível. Se não for cuidadosa o suficiente para guiar seu movimento em resposta ao cartão, ela pode cometer erros.

As cartas dessa analogia correspondem aos fatos na realidade, e a moeda corresponde a uma consciência. O lado que a moeda mostra pode representar uma consciência perceptiva ou uma crença conceitual sobre a realidade. A configuração inicial aleatória corresponde à ideia usual da predeterminação física das mentes humanas. A situação em que a moeda vê as cartas e responde automaticamente corresponde à visão objetivista de como a percepção bruta dos humanos e a consciência de outros animais funcionam. (Eles são infalíveis, no sentido de que não podem fazer nada além do que fazem, dado o seu contexto.) A situação em que a moeda pode escolher girar em resposta à visão das cartas corresponde ao nível conceitual de conhecimento nos humanos. (Este é o nível falível em humanos.)

Reductio ad Absurdum formal do determinismo: não abreviado

[Nota: você pode achar que a forma abreviada do argumento é difícil de acompanhar. A maioria das pessoas deve ter mais facilidade para seguir a forma abreviada abaixo e pode pular esta seção. Eu incluí o formulário não abreviado aqui para tudo ficar completo.]

P1: Se eu sei que a afirmação “Fatores físicos preexistentes determinam minha decisão de acreditar no conteúdo de meu suposto conhecimento” é verdadeira, então, possuo algum conhecimento real.

P2: Se eu possuo algum conhecimento atual, então acredito no conteúdo do meu suposto conhecimento porque esse conteúdo é verdadeiro.

C1: Portanto, se não acredito no conteúdo de meu suposto conhecimento porque esse conteúdo é verdadeiro, então eu não possuo esse conteúdo como conhecimento. [Contrapositiva de P2.]

P3: Se eu sei que a afirmação “Fatores físicos preexistentes exigem minha decisão de acreditar no conteúdo do meu suposto conhecimento” é verdadeira, então eu acredito no conteúdo do meu suposto conhecimento porque fatores físicos preexistentes exigem que eu acredite nesse conteúdo. [Aplicação da definição de determinismo.]

P4: O conteúdo do meu suposto conhecimento ser verdadeiro não é equivalente ao conteúdo do meu suposto conhecimento ser gerado por fatores físicos preexistentes. [No determinismo, crenças falsas podem ser exigidas por fatores físicos.]

C2: Portanto, se eu acredito no conteúdo do meu suposto conhecimento porque fatores físicos preexistentes exigem minha decisão de acreditar neste conteúdo, então, eu não acredito no conteúdo do meu suposto conhecimento porque esse conteúdo é verdadeiro. [De P4 e identidade de “crença porque.”]

C3: Portanto, se eu sei que a afirmação “Fatores físicos preexistentes exigem minha decisão de acreditar no conteúdo do meu suposto conhecimento” é verdadeira, então, não acredito no conteúdo do meu suposto conhecimento porque esse conteúdo é verdadeiro. [De P3 e C2.]

C4: Portanto, se eu sei que a afirmação “Fatores físicos preexistentes exigem minha decisão de acreditar no conteúdo do meu suposto conhecimento” é verdadeira, então, eu não possuo o conteúdo do meu suposto conhecimento como conhecimento real. [De C3 e C1.]

C5: Portanto, se eu sei que a afirmação “Fatores físicos preexistentes exigem minha decisão de acreditar no conteúdo do meu suposto conhecimento” é verdadeira, então, possuo algum conteúdo como conhecimento real e não possuo nenhum conteúdo como conhecimento real. [De P1 e C4.]

Reductio ad absurdum do “conhecimento da verdade” da afirmação, “Fatores físicos preexistentes exigem minha decisão de acreditar no conteúdo do meu suposto conhecimento”.

C6: Portanto, a afirmação de que “sei que fatores físicos preexistentes exigem minha decisão de acreditar no conteúdo do meu suposto conhecimento” é falsa.

Reductio ad Absurdum formal do determinismo: abreviado

P1: Determinismo implica conhecimento.

P2: Conhecimento implica (crença porque o conteúdo é verdadeiro).

C1: Portanto, não (crença porque o conteúdo é verdadeiro) implica não conhecimento. [Contrapositivo de P2.]

P3: Determinismo implica (crença devido a fatores físicos).

P4: Conteúdo é verdadeiro não é equivalente a fatores físicos.

C2: Portanto, (crença devido a fatores físicos) implica não (crença porque o conteúdo é verdadeiro.) [De P4 e identidade de “crença devido”.]

C3: Portanto, determinismo implica não (crença porque o conteúdo é verdadeiro). [De P3 e C2.]

C4: Portanto, determinismo implica não conhecimento. [De C3 e C1.]

C5: Portanto, determinismo implica (conhecimento e não conhecimento.) [De P1 e C4.]

Reductio ad absurdum do determinismo.

C6: Portanto, o determinismo é falso.

QED

Onde:

  • “Determinismo” significa “sei que a afirmação ‘Fatores físicos preexistentes exigem minha decisão de acreditar no conteúdo do meu suposto conhecimento’, é verdade.”
  • “Conhecimento” significa “Eu possuo algum conhecimento real”.
  • “Crença” significa “Eu acredito no conteúdo do meu suposto conhecimento”.
  • “O conteúdo é verdadeiro” significa “o conteúdo do meu suposto conhecimento é verdadeiro”.
  • “Fatores físicos” significa “fatores físicos preexistentes exigem minha decisão de acreditar no conteúdo do meu suposto conhecimento.

“Y porque X”, para os fins desta dedução, é uma condição necessária e pode ser significar que, para todos os casos de Y, real ou potencial: Y apenas se X.

Deve-se notar que qualquer premissa de “causa da crença” (exceto “crença porque o conteúdo é verdadeiro”) pode ser substituída por “determinismo” e “fatores físicos”, e o argumento ainda será uma redução dessa premissa. Isso inclui qualquer tipo de indeterminismo quântico ou metafísico que postularia “aleatoriedade fundamental” como a causa das crenças.

Além disso, porque a premissa do determinismo invalida todo conhecimento conceitual, se fosse “verdadeiro”, não se poderia fazer quaisquer afirmações como se fossem “conhecidas”. Não se podia nem mesmo ter qualquer “conhecimento” da “possibilidade” de qualquer coisa, incluindo escolhas fundamentais sendo determinadas por fatores anteriores. Qualquer afirmação da “possibilidade” do determinismo é anulada.

Explicação/defesa de P2: Se eu acreditar que algo é verdadeiro, não porque tenha constatado o fato ou os resultados de ser verdadeiro, mas porque quero que seja verdade, ou porque algum gatilho subconsciente me fez pensar que é verdadeiro, ou porque cometi algum erro, então, não posso afirmar saber que é verdadeiro. Tais crenças não são baseadas na realidade, com respeito à verdade da afirmação, mas em outros fatores, e essas crenças não podem ser invocadas como um conhecimento real pode.

O que é a teoria objetivista do livre-arbítrio?

Objetivistas normalmente se referem ao conceito filosófico de livre-arbítrio como “volição”. A volição pertence ao pensamento conceitual em humanos. Em essência, é a capacidade, em qualquer momento de consciência, de focar a mente e pensar – ou não. Permite ao indivíduo exercer o esforço de pensar ou não dentro do contexto de suas circunstâncias específicas, nível de conhecimento e estado emocional. Não permite que um indivíduo faça ou “queira” qualquer coisa com sua consciência. Não permite a “autocriação” ex nihilo de forma livre, como os existencialistas costumam defender.

A volição permite a “autocriação” dentro da esfera de quanto alguém adota o nível conceitual de consciência como seu modo cognitivo de funcionamento. E o nível de funcionamento cognitivo de um indivíduo em vários momentos do tempo tem consequências tremendamente importantes para o desenvolvimento de seu caráter e ações. Portanto, a volição não é onipotente com respeito à consciência, mas é causalmente eficaz.

O pensamento pode se tornar mais fácil ou difícil devido às várias circunstâncias mentais e físicas. Mas, enquanto a pessoa estiver consciente e tiver um cérebro basicamente saudável, ela é capaz de perseverar no pensamento em meio às dificuldades ou negligenciar o pensamento sempre que quiser. Nada pode determinar estritamente uma escolha ou outra.

E quanto à causa e efeito?

A forma de causalidade que o Objetivismo considera axiomática – isto é, verdadeiramente fundamental e verdadeiramente universal – é a relação de causa-efeito “entidade-ação”. Entidades são o que são e, portanto, só podem agir como essas entidades. As ações das entidades são fundamentalmente causadas fundamentalmente pelas próprias entidades.

O Objetivismo não defende uma versão de causalidade de “evento-evento” ou “ação-entidade” como a mais fundamental, ou necessariamente universal. Objetos inanimados tendem a reagir passivamente a agentes externos e, portanto, seguem um padrão de causalidade “entidade-ação-entidade-ação”. (Embora alguns deles, pelo menos em um nível superficial, mostrem ação espontânea, como núcleos atômicos radioativos). A natureza da entidade sobre a qual estamos agindo é crucial para a ação dessa entidade (o efeito). Se uma bola de bilhar atingir uma bolha de sabão, a reação da bolha será muito diferente da reação de outra bola de bilhar.

A volição humana é perfeitamente consistente com a natureza fundamental da causalidade: os seres humanos só podem agir de acordo com sua natureza e devem escolher entre pensar ou não. A escolha é causada pelo indivíduo, e essa escolha é a primeira causa em uma cadeia subsequente de efeitos mentais e ações físicas. Assim, o livre-arbítrio humano é uma forma de causalidade, não uma violação da causalidade.

E as Leis da Física?

Quando os seres humanos usam as leis determinísticas da física – como as de Newton ou Einstein – para descrever e prever eventos no mundo, isso se baseia na premissa implícita de que qualquer evento que estamos tentando descrever ou prever tem um conjunto físico preexistente de condições que constituem uma condição suficiente para sua ocorrência. Por sua própria definição, uma física determinista não reconheceria uma escolha fundamental como uma explicação “adequada” de qualquer evento.

O Objetivismo reconhece que todos os princípios racionais (com exceção dos axiomas básicos) têm contextos de aplicabilidade. As leis de Newton são válidas e podem ser usadas produtivamente dentro do contexto de coisas que se movem lentamente em relação umas às outras e não requerem uma precisão muito grande. A relatividade de Einstein pode ser usada se a escala em consideração não for comparável aos comprimentos de onda das partículas. Etc.

Nossa conquista de qualquer conhecimento conceitual, incluindo as leis determinísticas da Física, requer que algo sobre a forma como a mente / cérebro humano funciona esteja fora do contexto de qualquer física determinística (ou seja, princípios físicos determinísticos).

Princípios, como as leis da física, não estão “lá fora, na realidade” como tal, e não são eles próprios causalmente eficazes na realidade. Eles são nossa forma de expandir nosso conhecimento da realidade física além do imediatamente percebido. Onde aplicáveis, permitem que seres humanos volitivos prevejam eventos futuros (ou parâmetros de eventos) de eventos passados ​​ou atuais, envolvendo entidades puramente físicas, (ou seja, entidades que não possuem consciência.)[1]

Conclusão

Então, agora você viu uma prova cabal de que os seres humanos não podem ser fisicamente predeterminados, desde que sejam conscientes, capazes de conhecimento conceitual e falíveis. Você tem a opção de pensar sobre essa prova e verificá-la, ou não. Você também tem a opção (derivada) de ler um relato mais detalhado da teoria objetivista da volição.

__________________________________________

Originalmente publicado em Objectivism in Depth.

Traduzido por Hellen Rose.

Revisado por Matheus Pacini

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube.


[1] (1) Deve-se notar que muitas pessoas tentam raciocinar assim: Os seres humanos são compostos de partículas que não têm livre-arbítrio, portanto, os seres humanos não têm livre-arbítrio. Mas este é um exemplo da falácia da composição. Também é verdade que as partículas que constituem o ser humano não são conscientes. Isso significa que os seres humanos não são conscientes? Claro que não.

[Editado: 9-1-13]

>