A Igreja Católica: fábrica de pobres na América Latina

A instituição milenar que o Papa Francisco lidera hoje ainda exerce uma poderosa influência no campo da moral e da filosofia política na região. Quais são as consequências lógicas de suas condenações ao capitalismo, aos direitos de propriedade e à modernidade?

Há uma instituição na América Latina que exerceu uma influência extraordinária sobre seus habitantes, especialmente no campo da moral e da filosofia política. Essa instituição foi e continua sendo a Igreja Católica. Ele espalha suas ideias em escolas, universidades, associações empresariais e todos os domingos nas missas frequentadas pelos milhões de católicos nesta parte do planeta. As ideias transmitidas nesses encontros contêm juízos morais sobre a vida em sociedade e sugerem comportamentos que malograram o destino das sociedades latino-americanas.

Analisaremos a seguir algumas das principais ideias e princípios ensinados:

  1. “Voltando os olhos para os discípulos, disse: Bem-aventurados os pobres, porque vosso é o reino de Deus.” (Lucas 6:20)
  2. “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.” (Mateus 5: 3-11)

“Os pobres herdarão a Terra”, “vendam todas as suas propriedades e bens, compartilhando-os com todos, segundo a necessidade de cada um” ou “o coração de Deus tem preferência pelos pobres, tanto que ele mesmo se fez pobre”.

A pobreza está no centro do Evangelho. Se os pobres são elogiados, é estranho que favelas e cortiços abundem nessas terras?

  • “Não ao império do dinheiro “Evangelii Gaudium: Exortação Apostólica”.

“O dinheiro é o esterco do diabo”, expressou o Papa Francisco, que também pediu que “os homens mandem no capital, e não sejam controlados pelo capital”.

Dado que o dinheiro é usado para comercializar ou poupar, é impossível deduzir que juízos como os acima tenderão a desencorajar tanto o comércio quanto a poupança? E, inclusive, opiniões desse tipo não contribuirão para tratar o dinheiro descuidadamente, possibilitando a emissão descontrolada para que os políticos possam atender os mais necessitados, gerando inflação?

  • “A propriedade privada é um direito de segunda ordem.”

Afirmações desse tipo não levam inevitavelmente à perda de respeito pelo direito de propriedade? Será coincidência o surgimento do MST, camponeses e posseiros que invadem casas e apartamentos sob o olhar indiferente e ineficaz da justiça que se torna inoperante? Como reagirá um político que quer fazer o “bem” com o dinheiro alheio sem o limite claro estabelecido pelas leis que defendem a propriedade privada?

  • “Asseguro-vos que dificilmente um rico entrará no Reino dos Céus. Repito, é mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino dos Céus”.

Esta tese não está relacionada com o refrão “combater o capital” que consagra uma marcha política popular? É estranho que empresários e empresas deixem nossos países, levando seu capital para outros destinos, depois de ouvir uma marcha que incentiva os políticos a planejarem novas formas de saquear os contribuintes?

  • “O homem é o lobo do homem”, frase difundida por Thomas Hobbes e utilizada pela Igreja em numerosas ocasiões para sustentar a tese de que “a liberdade absoluta deve ser regulada e posta a serviço do bem comum “.

Seria ilógico pensar que a aceitação dessa ideia trará consigo o surgimento de milhares de regulamentos, burocratas e fiscais encarregados de fiscalizar o comportamento inescrupuloso de empresários e comerciantes? Eles serão responsáveis ​​por “cuidar” e “proteger a população das vicissitudes da insensibilidade capitalista”.

  • “Onde há necessidade há direito” ou “ninguém pode sentir-se isento da preocupação com os pobres e com a justiça social”.

Depois de esses conceitos serem devidamente assimilados, é de se admirar que os “necessitados” se multipliquem geometricamente junto com os políticos que promoverão a “renda universal” e os “planos sociais”?

  • “Devemos influenciar a vida social e nacional; intrometer-se na política, buscar o bem comum”.

Se aceitarmos essas teses, será estranho o desejo de impor pela força ou coerção nossa religião, nossos pontos de vista ou o modelo de sociedade ideal que proclamamos? Os dissidentes e hereges terão lugar nesses contextos? Ou terão o mesmo destino de Copérnico e Galileu, ambos condenados, ou o dos perseguidos pela Inquisição? Isso está relacionado à evidente tolerância e abordagem da Igreja em relação a líderes autoritários e populistas? (Mussolini, Franco, Perón, os irmãos Castro, Chávez, Maduro)

  • “A ganância corporativa e capitalista por parte dos empregadores leva ao abuso e à exploração do trabalhador.”

É estranho que, após aceitar essas teses, surjam de imediato sindicatos poderosos e sindicalistas com características mafiosas, a quem devemos pedir permissão para produzir sob pena de extorsão?

  1. “O capitalismo carrega a semente de uma sociedade materialista, egoísta e gananciosa.”

Aceitar essa ideia não leva o empresário a se sentir culpado e querer esconder seus sucessos ou tentar se justificar pelo crime de ganhar dinheiro?

  1. “A globalização e as empresas multinacionais são as culpadas pela destruição da cultura e das indústrias locais e também pelo desaparecimento de empregos.”

O estímulo ao protecionismo econômico que emana dessas teses não contribuirá para o surgimento dos “empressauros” ou empresários mais interessados ​​em fazer acordos com as secretarias de comércio do que em produzir mercadorias baratas e de boa qualidade?

  1. “Os direitos sociais devem prevalecer sobre os chamados direitos individuais, já que os primeiros defendem o bem comum e não os interesses individuais.”

Não está claro que essa tese conduz diretamente ao artigo 14 da Constituição Argentina, ao abandono dos ideais das Revoluções do século XIX e das Constituições que protegem direitos?

  1. “O ideal social deve ser o de justiça social, igualdade e fraternidade.”

É difícil entender a relação entre essa tese e a distorção do conceito de igualdade perante a lei, a desconfiança da justiça e a corrupção dos juízes? É estranho ver que o ideal de justiça social faz com que as pessoas percam a confiança na justiça e em sua eficácia?

  1. “Planos sociais são um direito e não um presente” ou “prejudicam” a justificativa da reivindicação de direitos.

É difícil ver a conexão entre essas ideias e as passeatas, cortes e protestos exigindo o cumprimento desses supostos direitos?

A influência dessas ideias é transferida para a educação, a política, as academias militares e todas as instituições da América Latina. Combatida na Europa e em retirada após a Segunda Guerra Mundial, a Igreja Católica refugiou-se na Espanha, Portugal e América Latina para seguir lutando aí até hoje contra as ideias do Renascimento e do Iluminismo.

As Encíclicas ratificam este compromisso: a “Rerum Novarum”, a “Centesimus Annus” e a “Fratelli Tutti” ratificam a condenação ao capitalismo, à vida burguesa, ao consumo e à modernidade. Também os discursos papais seguem infalivelmente esse caminho nas figuras de Paulo VI, João Paulo I, João Paulo II, Bento XVI e Francisco. Mesmo quando expressam preocupação com a pobreza, suas soluções passam pela relativização dos direitos de propriedade, o que, segundo Armando Ribas, se assemelha à recomendação de “amamentar com álcool”; a prosperidade é vista com desconfiança, porque “contamina” a alma, tornando-a materialista, e leva ao esquecimento da “piedade cristã” (torna-a desnecessária), corrompendo a alma do novo burguês que se junta ao novo “mundanismo”.

O grande sucesso da Igreja Católica na América Latina foi ter conseguido unificar o discurso da moralidade. Somente o que a Igreja aprova e santifica é moral. Aqueles que se afastam do rebanho são estigmatizados e não obtêm aprovação social. Igreja é sinônimo de povo, de proteção aos pobres e desamparados, de justiça social e de direitos sociais. Políticos, sindicalistas, empresários, desportistas famosos, jornalistas e proprietários de meios de comunicação devem passar por Roma e obter a bênção correspondente se quiserem exercer alguma influência em seus respectivos países. O Papa torna-se assim juiz e árbitro dos destinos latino-americanos. O progressismo eclesiástico chega ao extremo de ver com mais simpatia regimes totalitários de esquerda ou direita que violam os direitos humanos, mas que defendem o grande Estado (Mussolini, Franco, Perón, os irmãos Castro, Chávez, Maduro) do que governos democráticos que tentam se abrir para a economia de mercado e o capitalismo.

A ideia de culpa (pecado original), a condenação da riqueza e do comércio, a busca pela obediência a um código moral baseado em ordens (“mandamentos”) e não em pensamento crítico, e uma epistemologia sustentada pelo misticismo, milagres e fé, e não no rigor científico, levou muitos intelectuais a alertar sobre a grande armadilha que condena a América Latina ao ostracismo: Juan José Sebrelli (“Crítica das ideias políticas argentinas”), José Ignacio García Hamilton (“Autoritarismo e improdutividade”), Guillermo Yeatts (“As regras perversas do jogo na América Latina”), Armando Ribas (“A falácia da civilização ocidental”), o advogado Alejandro Cowes nos alertaram sobre o caminho da servidão e da decadência a que conduzem essas ideias.

Liberais católicos mais conciliatórios e brilhantes tentaram justificar a Igreja argumentando ignorância dos princípios econômicos e o que eles consideram ser uma má interpretação dos Evangelhos. Gabriel Zanotti, Gustavo Hasperué, Enrique Del Lane, Alberto Benegas Lynch, Jesús Huerta de Soto, Juan Ramon Rallo, Manuel Ayau, Armando de la Torre, Alejandro Chafuen, Padre Sirico do Acton Institute persistiram em suas tentativas de serem ouvidos pela alta hierarquia católica recebendo silêncio e novos ataques a cada resposta.

A última batalha é travada no campo da moralidade, entre a defesa religiosa do altruísmo (sacrifício pelos outros) e a defesa liberal do autointeresse racional, e no campo da epistemologia (misticismo versus razão).

A luta pela prosperidade latino-americana e pela erradicação da pobreza requer o poder de emancipar-se do abraço fraterno proposto por Bergoglio (“Fratelli Tutti”) e de tornar as leis e a justiça independentes dos obstáculos que se ergueram em nossos países (graças ao apoio deste código moral) sobre a produtividade, o comércio, a criação de riqueza e o conhecimento científico.

É hora de permitir que nossos cidadãos abandonem as teorias do sacrifício humano (com prêmio no Além) e substituí-las pela aprovação moral de buscar a sua própria felicidade (aqui, na Terra).

>