MERITOCRACIA

“Meritocracia” é um anti-conceito, uma construção linguística falaciosa. É a união de dois termos opostos que não podem ser conjugados para formar um terceiro que seja válido. “Cracia” significa força ou poder. Aristocracia é o poder da elite, imposto pelo uso da força. Democracia é o poder da maioria, imposto pelo uso da força. Teocracia é o poder de um grupo religioso, imposto pelo uso da força.

No livre mercado, todos os indivíduos têm algum mérito, mas não impõem nada pelo uso da força: apenas produzem um valor e recebem por ele aquilo que merecem. Quem estabelece o mérito de cada um, na realidade, é a relação entre o que foi produzido e o beneficiário que o adquiriu. É ilógico dizer que existe uma “tiraria do mérito” porque o governo protege o direito à liberdade e à propriedade de alguém que quer criar, produzir, comerciar – essa é a “tirania da justiça”. Ninguém pode racionalmente ser contra a justiça, a qual é uma virtude.

O mercado não está sujeito à meritocracia. Tanto Bill Gates como um gari recebem o valor que merecem pelo que produzem. Lembro que a palavra “mérito” vem do latim meritum que, entre outras coisas, significa “valor”. E meritum está ligado à merere, cujo significado é “merecer”. No livre mercado, cada um recebe o valor que merece, ou seja, de acordo com seu mérito. No então, isso não se constitui numa “meritocracia”, afinal, o sufixo cracia tem relação com força e poder.

Os socialistas ou pós-modernos tentam criar uma falácia ao colocar num mesmo pacote (package-deal fallacy) conceitos diferentes como se tivessem características semelhantes (democracia, aristocracia, teocracia). É uma armadilha sutil para perverter o sentido de justiça e merecimento.

Temos que ficar alertas para esse tipo de equívoco. Mérito é corolário da justiça, o qual só pode funcionar no livre mercado, em que o governo e a economia estejam separados.[1]

______________________________________

Revisão de Matheus Pacini

Publicado originalmente em Ayn Rand Lexicon.

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

_______________________________________

[1] Escrito por Roberto Rachewsky, e publicado no app Objetivista, disponível na Play Store.