VOTAR

O direito ao voto é uma consequência, e não uma causa primária, de um sistema social livre – e seu valor depende de se a estrutura constitucional implementada delimita estritamente o poder do eleitor; se ilimitado, o poder da maioria é um exemplo do princípio da tirania. [1]

 

O voto majoritário não é uma validação epistemológica de uma ideia. Votar é meramente um instrumento político apropriado – dentro de uma esfera de ação estrita, constitucionalmente limitada – para a escolha dos meios práticos de implementação dos princípios básicos de uma sociedade; todavia, esses princípios não são determinados pelo voto. [2]

 

Os direitos individuais não podem estar sujeitos a uma votação pública; uma maioria não tem o direito de votar e acabar assim com os direitos de uma minoria. [3]

 

Os cidadãos de uma nação livre podem discordar sobre os procedimentos legais específicos ou métodos de executar os seus direitos (o que é um problema complexo, a esfera de ação da Ciência Política e da Filosofia do Direito), mas concordam quanto ao princípio básico a ser implementado: o princípio dos direitos individuais. Quando a constituição de um país coloca os direitos individuais fora do alcance de autoridades públicas, a esfera do poder político é severamente delimitada — e deste modo os cidadãos podem, segura e adequadamente, concordar em acatar as decisões do voto da maioria nesta esfera delimitada. As vidas e a propriedade de minorias ou dissidentes não estão em risco, não estão sujeitas ao voto e não são postas em perigo por nenhuma decisão da maioria; nenhum homem ou grupo possui uma carta branca de poder sobre outros. [4]

_______________________________________

Tradução de Matheus Pacini

Publicado originalmente em Ayn Rand Lexicon

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

_________________________________________

[1] RAND, Ayn. The Lessons of Vietnam, The Ayn Rand Letter, III, 24, 3.

[2] RAND, Ayn. Who Is the Final Authority in Ethics? The Objectivist Newsletter, Feb. 1965, 8

[3] RAND, Ayn. A Virtude do Egoísmo. Trad. de On Line-Assessoria em Idiomas. Porto Alegre: Ed. Ortiz/IEE, 1991. p. 131.

[4] RAND, Ayn. A Virtude do Egoísmo. Trad. de On Line-Assessoria em Idiomas. Porto Alegre: Ed. Ortiz/IEE, 1991. p. 131.