Conhecimento

Conhecimento é a compreensão mental de um fato (ou fatos) da realidade, com base na observação perceptual ou por um processo de raciocínio baseado na observação perceptual.[1]

 

A realidade é o que existe; o irreal não existe; o irreal é meramente uma negação da existência, o conteúdo de uma consciência humana quando tenta abandonar a razão. A verdade é o reconhecimento da realidade; a razão é o único meio de conhecimento do homem, é o seu único critério de verdade.[2]

 

A única dívida filosófica que reconheço é com Aristóteles. Estou em profundo desacordo com muitas partes de sua filosofia, porém a sua definição das leis da lógica e dos meios de conhecimento humano é um feito tão importante que os seus erros são irrelevantes em comparação. Meu tributo a ele está nos títulos das três partes de A Revolta de Atlas.[3]

 

Na história da filosofia – com poucas e raras exceções – as teorias epistemológicas consistiram em tentativas de fugir de qualquer das questões fundamentais, das quais não se pode escapar. Aos homens foi ensinado que o conhecimento é impossível (ceticismo), ou que está disponível sem nenhum esforço (misticismo). Essas duas posições parecem ser antagonistas; são, todavia, duas variantes do mesmo tema, duas faces da mesma fraudulenta moeda: a tentativa de fugir da responsabilidade do conhecimento racional e do absolutismo da realidade – a tentativa de impor a primazia da consciência sobre a primazia da existência.[4]

_______________________________________

Tradução de Matheus Pacini

Publicado originalmente em Ayn Rand Lexicon

Curta a nossa página no Facebook.

Inscreva-se em nosso canal no YouTube.

_________________________________________

[1] RAND, Ayn. Introduction to Objectivist Epistemology, “Definitions”. p. 51

[2] PEIKOFF, Leonard. Objetivismo: a filosofia de Ayn Rand. p.. 35

[3] PEIKOFF, Leonard. Objetivismo: a filosofia de Ayn Rand. p. 70

[4] PEIKOFF, Leonard. Objetivismo: a filosofia de Ayn Rand. p. 90